Arquivo da tag: michael jackson

M DE MODA

de Miuccia…

6214_1117313210625_1160837558_30275886_7394564_n

de Michael…

article-0-060AE2B0000005DC-921_468x664-3

de…

Anúncios

AINDA MICHAEL… SEMPRE

Como disse no post anterior o mundo “nos próximos dias tem Michael Jackson como sua principal trilha musical”. E ele tocou na Torre, na Lôca, no Ecletico’s, na festa do puteiro Nova Babilônia, em todos os canais de tvs, em todas as festinhas em casa que eu fui nesse fim de semana. E sempre se falou dele, em algum momento. Fora os inúmeros flash mob do moonwalk que aconteceram em várias cidades do mundo. Em São Paulo falaram que aconteceria um na sexta, dia 26 e outro no domingo, 28, mas não vi fotos e nem sei se aconteceram mesmo [agora sei que aconteceram mesmo, no domingo]. Mas foi com orgulho que sexta, vi nas bancas o jornal Lance, que é especializado em esportes, com a seguinte manchete: Morre Michael Jackson, o Pelé da música.
O mundo está de luto e todos tentam entender – como no velório – o porquê do inevitável, a morte.
Mario Mendes diz belamente que Michael morreu por excesso, já Nina Lemos acha que ele morreu porque tinha medo da vida. Todos precisamos nos consolar de alguma forma, de entender o fim de uma poesia enigmática.
Inácio Araújo diz que “Michael dançando era um corpo que desorganizava o mundo ao seu redor, reduzindo nossos corpos, os corpos de todos os outros, a coisas mal-ajambradas”. E Xico Sá declara: “O maior passo da humanidade se deu quando o primeiro negro pisou na lua: salve Michael Jackson”.
O estilo de Michael está no excelente post de Simone Esmanhotto . Ela diz que ele “atravessou as anos 90 e 00, enfrentando o curto casamento com Lisa Presley e as acusações de abuso sexual, com o figurino do auge da carreira” [os anos 80]. Mas o mais interessante é ele morrer no auge das releituras dos anos 80.
Por fim: encontro o roteirista Hilton Lacerda tarde da noite e ele me diz a frase mais bonita de todas: “Michael Jackson pode ter morrido, mas ele continua vivo nos inúmeros Maicon que nasceram nas periferias do Brasil”.
michaeljacksonluomo
Jacko para a L’Uomo, em 2007, fotografado por Bruce Weber
michaeljacksonluomo2007 bruce weber

PS: Nesse mundo que todo mundo quer ser loira, que o ideal de magnitude perpassa o arianismo, um negro eclipsou a morte da mãe de Gisele, Farrah Fawcett, um ideal de beleza e cabelo, o cabelo que nossa top maior reatualizou, quase passou desapercebida. Paradoxos maravilhosos!

MICHAEL FASHION

Foi o Oliveros que por e-mail me avisou que Michael Jackson morreu. Senti uma infelicidade imensa. Pois fui feliz durante a sua existência. Ele e muito do seu estilo me acompanharam e me acompanham até hoje.
coverlz2
Com 10 anos, com uma namoradinha de escola e vizinha, lembro de ouvir de mãos dadas com ela e de olhos fechados – “para ficar imaginando o infinito” – em uma vitrolinha Sonata o compacto de “Music & Me”.
A capa era Jackson ainda uma criança com cabelo black power e um violão. Lembro que desde essa época acho o cabelo black power o mais estiloso que existe – e dizem que é o cão pra mantê-lo. Lembro de insistentemente anos mais tarde pedir para um namorado deixar o cabelo ficar black power. Se tivesse cabelo suficientemente bom e vasto pra isso com certeza só usaria o black power.
“Music & Me” era a música lenta dos bailinhos, da época que se dançava juntinho, mas o seu pop que sempre flertou com a melhor da música para se dançar, leia-se: a black music, foi o melhor termômetro das pistas de dança. São inúmeras suas criações que esquentam e fazem uma boa pista na buatchy.

Ele foi responsável pela difusão do break ou da street dance dos guetos negros para o mundo. Moonwalk é um passo tão clássico como o pas de bourrée ou o grand jeté é para o ballet. Lembro de treinar milhares de vezes na rua com meus amigos o moonwalk e quando a gente pegou a manha – mas nunca deslizamos como Michael, quero deixar isso claro – ficamos super nos exibindo nas matinês e era uma sensação.

Saber o moonwalk era estar em um estágio mais evoluído da raça humana, era assim que parecia para todos os garotos da minha geração.

Ele não tinha medo dos brilhos como em “Rock with You”, que depois apareceriam na suas meias e na sua luva com cristais Swarovski. Sem falar do brilho de seus casacos militares, inspirados nos Beatles, mas diferentemente do quarteto britâncio que tinham aquela roupa como figurino, Michael fez da jaqueta sua roupa do dia-a-dia (se é que podemos falar isso no caso de Michael).
full_michael_jackson_11_wenn2318242
Não à toa, a Balmain lançou com grande sucesso uma versão atualizada da jaqueta de Michael.

Depois teve “Don’t Stop ‘Til You Get Enough” e as meias brancas no mocassim preto era uma marca forte de Michael. Aliás se não tinha o brilho, era sempre uma cordenação de cores de não cores: Michael usou e abusou do preto e branco.
MichaelJacksonDancando1
Sempre achei luxuoso esse estilo (mocassim preto + meia branca) mesmo com a minha mãe dizendo que a meia deve ser da cor do calçado ou da calça.
Não importa, ele tinha um estilo terrificante que fez todos ficarem paralizados durante uma noite de domingo, no Fantástico, para assistir “Thriller”. Aquilo foi um acontecimento em rede nacional. Um curta de terror com uma coreografia que foi exaustivamente repetida e ainda a é até hoje. Lembram da “surpresa” do final do SPFW com os bailarinos dançando? Aquilo foi pura reciclagem de “Thriller”.

O mais impressionante que ele nessa época é tão lindo, mas agia igual às anoréxicas que não se enxergam como realmente são. É também nesse clipe que tem a sintomática transformação dele em lobisomem e em morto-vivo sinalizando em metáfora o que aconteceria com ele tempos depois.
Suas plásticas são mais artísticas, radicais e interessantes que as de Orlan e causam tamanho choque em uma sociedade que um branco pode imitar um negro, mas o vice-versa é impensável.
Mas mais impensável que isso foi o conglomerado de pessoas que ele conseguiu unir numa tarde na MTV. Trabalhava lá no começo dos 90, um ambiente dos roqueiros, alternativos e modernos de toda espécie, enfim uma área pouco provável pra fãs de Michael. Mas quando chegou o clipe “Black and White”, todos, sem exceção, se aglomeraram num pequena salinha pra ver o clipe. Sério, teve umas 6 sessões pra que todos pudessem ver/ouvir o Slash – me engana que eu gosto.

Sobre a questão de que cada vez mais ele foi ficando mais branco, como muitos amigos negros continuaram a amá-lo e nunca viram sua “branquificação” como sinal de “traição do movimento”, fechei que aquilo era uma questão de sua individualidade (por mais problemática que fosse sua transformação, era um problema dele). Sua grandeza nunca diminuiu: lembro que quando ele foi preso, acusado de pedofilia, em plena época dos xiitismos eletrônicos, o Dj Marky parou seu set e colocou Beat It. Gestos assim dão dimensão do alcance do artista Michael Jackson.
Até hoje me pergunto se ninguém percebeu o quanto tinha de político em plena era Bush e de todo anti-islamismo reinante, quando ele deixou Neverland (meu sonho era conhecer esse lugar!) e se mudou para o Bahrain, nos Emirados Árabes. E apareceu até de burka.
380497524_64273ad635
Na moda atual e na música, com toda a revisão dos anos 80 que teimam em não acabar, seu estilo era a mais perfeita tradução dessa década. E esperava com ansiedade o impacto que seus shows em Londres que começariam no próximo dia 13 de julho, causaria no mundo e com certeza na moda. Mas ele se foi como me avisou Oliveros por e-mail.
Michael simbolizava o trânsito entre as coisas do mundo, ele deslizava pelos ritmos, gêneros, gerações exatamente como sua dança. Sua música tinha r&B, soul, funk, rap, rock. Ele mesmo era meio homem, meio mulher, meio branco, meio negro. Ora era todo brilho, ora se escondia na neutralidade do preto e branco. Ora causava amor, ora causava repulsa pelos supostos casos de pedofilia que foi acusado ou pela quantidade de plástica. Não saiu da infância, mas deixou os adultos mais alegres, o mundo mais feliz.


Pra mim esse vídeo é o resumo de sua grandeza. Ele entra, diz seus versos e nós inclui nesse mundo, um mundo que nos próximos dias tem Michael Jackson como sua principal trilha musical.