Arquivo da tag: ética

DUAS QUESTÕES IMPORTANTES MUITO PRÓXIMAS

Ler dois textos escritos por pessoas diferentes, de backgrounds diferentes, – mas nem por isso um melhor que o outro – foi uma das delícias desse fim de semana. Renato Janine foi meu professor na minha breve passagem pela Filosofia da USP, antes de me jogar no curso de Cinema. E Lalai foi minha professora de como conseguir conciliar a noite e o trabalho de forma intensa e divertida, aliás sua atitude ao promover inúmeras festas na noite de São Paulo é fundamental para que a vida noturna da cidade se torne agitada e diversa. Os dois têm meu profundo respeito. E adoro quando ambos , cada um do seu jeito e com seu recorte particular discutem a ética – essa mesmo que anda em falta no mercado.

Lalai escreveu esse brilhante texto sobre a mentira. E Renato sobre a política das minorias e das classes. Como nem todo mundo é assinante do Uol, transcrevo o texto de Janine abaixo:

A DEVASSA DA DEVASSA

Suspensão de propaganda de cerveja estrelada por Paris Hilton escancara os limites do “politicamente correto” e aponta para o desgaste do erotismo na sociedade atual

RENATO JANINE RIBEIRO
ESPECIAL PARA A FOLHA

Provei a cerveja Devassa num dia no aeroporto. Mas, quando vi na TV sua propaganda com uma norte-americana rica que deve a fama a um vídeo pornô que circulou na internet, achei de mau gosto e perdi a simpatia pela bebida. Ponto. Agora, quando o Conar retirou a propaganda do ar, vale a pena discutir um pouco o assunto.
O Conar é um órgão privado -Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária. Quando alguém fala em regular os excessos da televisão, a mídia costuma citar o Conar como exemplo de como fazê-lo sem o Estado intervir. Quando se para de falar em regulação social, esquece-se o Conar. De todo modo, ele nada tem a ver com o governo.
Numa pesquisa de 2000 que publiquei em meu livro “O Afeto Autoritário” (ed. Ateliê), analisei os julgamentos do Conar que encontrei. Notei uma certa contradição. Quando o Conselho de Enfermagem reclamou de quatro propagandas mostrando enfermeiras como mulheres fáceis, o Conar concordou e as publicidades sumiram.
Já quando psicólogos reclamaram duas vezes porque sua profissão era ridicularizada, o Conar disse que as propagandas eram, só, engraçadas. Em suma, onde para uns há humor, para outros há preconceito; mas a linha de corte depende, muito, do grau de mobilização dos que se sentem ofendidos.
A questão do humor ou do preconceito é ponto em que a publicidade converge com uma preferência dos jornalistas que tratam de entretenimento e variedades: segundo eles, o politicamente correto se distinguiria pela falta de humor. O elogio-padrão a uma peça de teatro engraçada diz que ela é “politicamente incorreta”.
“Politicamente correto” é um termo pejorativo, usado para criticar a preocupação, nascida nos EUA, de movimentos sociais com expressões que depreciam grupos historicamente perseguidos. Por exemplo, os verbos denegrir e judiar vêm do preconceito contra negros e judeus -embora ninguém pense nisso hoje, quando os usa.

Piada de português
É difícil, mas necessário, separar o que é justo, para combater um preconceito de largas raízes históricas, e o que é excesso de algumas pessoas que levam, com boa-fé ou mesmo sem ela, longe demais a suscetibilidade. Denegrir, judiar, humor negro não me parecem exprimir, hoje, preconceito. Tampouco vejo problema em piadas de loira, de português, de papagaio e do Juquinha. Já afirmar que “o asfalto é o preto de quem todo mundo gosta”, como disse um ministro dos Transportes em 1997, é grave.
E o é justamente porque o ministro o disse sem maldade: mostra que em nossos costumes há brincadeiras preconceituosas que rotulam negativamente grupos discriminados. Sem o “politicamente correto”, isso passaria batido.
A propaganda da Devassa recorda que, na TV brasileira, a publicidade de cerveja a alia a mulheres gostosas. Lembro uma publicidade que fazia um corpo feminino tornar-se garrafa de cerveja. Mulheres são convertidas em coisa, em objeto de consumo? São, sim. Aparecer em propaganda de cerveja é coisa de gostosa. Recentemente, [o colunista da Folha] José Simão foi proibido de dizer que uma atriz era devassa (porque a personagem dela, não ela como pessoa, tinha um “bar da Boa”).
Se Hilton aceita aparecer como devassa -mesmo acreditando que a palavra quer dizer apenas “sexy”, como sua equipe declarou à Folha-, talvez seja uma resposta ao “affair” Simão: ela aceita fundir sua pessoa com sua personagem. Quem gosta de cerveja gosta de gostosa, portanto, cerveja é gostosa, talvez devassa.
Mas, se não há diferença entre a mulher-garrafa e a “devassa”, por que saiu do ar esta última propaganda? O Conar pode ter mudado sua percepção das sensibilidades sociais. A redução da mulher a objeto se teria tornado intolerável. Se o Conar deu razão às enfermeiras, mas não aos psicólogos, é porque atua sob pressão -o que é outro modo de dizer que é atento à sensibilidade social.
Pois, se um indivíduo é injustiçado e só consegue justiça fazendo pressão, isso é errado. Mas, se um grupo maior se sente injustiçado e só obtém o que deseja pressionando, isso pode ser positivo. Nas relações macrossociais, justiça não se dá, não se recebe passivamente, mas se constrói. Por isso, se as mulheres recusam o papel de objeto, a decisão do Conar pode ser uma conquista delas.
Contudo, para várias mulheres, tornar-se objeto não é redução, mas aumento, de poder.

“Playboy” e “Big Brother”
É o que leva algumas ao “Big Brother Brasil”. Nos anos 90, a revista “Playboy” colhia suas capas nas novelas da Globo.
Hoje, seu maior estoque é o “BBB”. Há décadas, a mulher que posava para calendários de borracharia saía mal na reputação. Mas, hoje, na mídia, é ela, como objeto de desejo, que controla o sujeito desejante.
O jogo ficou mais complexo. O sujeito não manda, necessariamente, no objeto. Há mulheres que extraem poder de uma condição de objeto habilmente constituída. Madonna explicitou isso com seus clipes, com seu livro “Sex”. O problema é que essa não é uma verdade universal nem majoritária. A mulher atacada sexualmente na rua não controla nada, não tem poder, é vítima de uma violência inadmissível.
Mas um número menor de mulheres -que consegue ser protagonista do que [o filósofo] Walter Benjamin chamava a reprodução mecânica e que hoje chamaríamos a imagem na mídia- ganha dinheiro, fama, poder com isso.
O problema é que há mais estupros do que capas de “Playboy”, de modo que o poder e a riqueza de algumas não apagam o abuso sobre muitas. Finalmente: quando a mídia defende o direito (da cervejaria? da socialite? do espectador voyeur?) à propaganda com Paris Hilton, vivemos um fenômeno de desgaste: durante milênios o erotismo esteve no jogo entre o que se vê e o que apenas se adivinha. Mostrar dependia de esconder. Um autor árabe fala do erotismo que emana de um corpo velado: ele se faz imaginar pelo som das joias se chocando, pelo perfume, pelo movimento do corpo andando. Erotismo é imaginação.
Ora, como ficam as coisas quando o corpo se desnuda tanto? Não se trata apenas de transformar a mulher em objeto. Pois muda o registro sensual do corpo. Seria errado achar que as mulheres despidas suscitam menor desejo do que as imaginadas. Nossa sociedade se sexualizou intensamente, com a mostra ilimitada dos corpos objetos.

Falta de imaginação
Não creio que isso vá embotar o desejo, embora digam alguns que é de sua natureza buscar o difícil e desdenhar o fácil. Mas o certo é que, entre o desejo e a realização, o prazo diminuiu. Imaginação exige tempo, demora, frustração, desvio. Corpos se oferecem, se tomam, como cervejas, mas parece que, se aumentou o acesso físico ao corpo alheio, reduziu-se a capacidade de imaginar. Sexo, talvez, sem erotismo.

AINDA SOBRE JOGO DE CENA – ROUPAS, COMPORTAMENTO E ÉTICA

Ainda refletindo sobre o papel ético das roupas no filme “Jogo de Cena” de Eduardo Coutinho, é interessante falar – mesmo que rapidamente sobre a história de Nilza, a babá do Leblon – no trailer é a segunda mulher a aparecer.

Vaidosa, sua personalidade se afirma pelo seu estilo. No trailer, ela aparece pedindo para São Pedro deixar o tempo bom, com Sol, porque ela queria ir bonita na filmagem. Logo visualizamos uma negra vistosa, com um batom vermelho e pouquíssima roupa. No decorrer de sua história percebemos como a sua relação com a roupa faz com que ela se ressalte no cenário. No breve período que viveu em São Paulo – sua passagem pela praça da Sé -, sua roupa sumária nos dá a entender que os homens a olhavam muito, mas isso parecia não a incomodar – aliás é um intratexto, está entre as linhas de seu depoimento. Mas também temos algo mais explícito sobre as roupas como a utilização dela como marcação de território e personalidade. Ao conta que sempre ao pedir um emprego, ela logo avisa que gosta de se vestir daquela maneira e diz algo como: ” se quiser assim tudo bem, senão eu não aceito o emprego”.

Você já está totalmente entregue no jogo da representação, quando no final do depoimento, ela vira pra câmera e diz: “Ela disse”. Nilza estava sendo interpretada pela atriz Débora Almeida. Nesse momento a roupa assume um outro significado, aquele que está no cerne da moda: o de fantasia. A roupa nos fez crer – além da estupenda interpretação – que se tratava de Nilza. Estamos na chave do naturalismo, mas também além dele,

A partir daí queria comentar as observações de dois amigos sobre meu primeiro texto sobre “Jogo de Cena”. John Wagland, que foi ator do grupo catalão Fura Del Bals, apesar de gostar do filme de Coutinho, acredita que ele não se aprofunda nos jogos de interpretações ao optar apenas pelo naturalismo como forma de representação, pois – segundo ele – existe uma gama de possibilidades além daquela que a “Imitação da realidade” nos sugere.

Entendo o argumento de John e como disse a ele, ao optar, questionar e desmontar o naturalismo, tem ali uma questão ética. Todo o senso comum – muito difundido pela tv e o cinema hollywoodiano – tem como parâmetro da ideia de representar o tal do naturalismo, aquilo que parece estar perto ou colado à realidade. Não podemos deixar de falar que ao atriz comentar que aquilo é uma representação – por mais naturalista que seja – acabamos saindo do naturalismo. existe um espaço off de pensamento muito grande em “Jogo de Cena”

Sueli, outra amiga, me escreveu nos comentário:

“Ao render-se ao personagem Sarita, Marília esta “copiando” ou “representando”?
Em filosofia – me corrija se eu estiver errada por favor – a representação é uma figuração concreta de um “conteúdo” apreendido pelos sentidos, pela imaginação, pela memória, ou pelo pensamento.
A representação surge da relação entre o representante e o representado: um símbolo, nao?
Eu sei que copia e representação podem ser sinônimos, mas o processo de criação de uma copia pode ser bem diferente da origem de uma representação. A representação pode resultar da utilização de símbolos, que apenas sugerem o que esta sendo representado.
A criação de um símbolo – que pode originar-se de uma apropriação intencional de um elemento visual que se assemelhe ao conteúdo (objecto ou idéia que representa) – tem, geralmente, como objetivo facilitar a comunicação”.

Novamente Sueli está certíssima ao esclarecer que nem toda representação é cópia. Sua questão esbarra na de John. Mas no caso do naturalismo, anseia-se a cópia para chegar mais perto da verdade representada e é nessa chave que o filme trabalha, exatamente para poder implodí-la.

Por fim,a aproximação de representação com cópia feita no primeiro – e segundo – texto, para falar de roupas e da moda e da fantasia é também um exercício ético.

JOGO DE CENA – ROUPAS, COMPORTAMENTO E ÉTICA

O maior crítico de cinema do Brasil hoje, Jean Claude Bernardet, diz sobre “Jogo de Cena”, filme de Eduardo Coutinho, que ele seria o “Ulysses” – romance fundador/demolidor de James Joyce – dos documentários em geral, principalmente dos que se sustentam na fala.

O filme, de uma aparente simplicidade, parte da ação de um anúncio do jornal que pede para que mulheres compareçam ao Teatro Glauce Rocha para contarem suas histórias. Um mês depois foram chamadas atrizes, dentre elas, 3 muito conhecidas (Andréa Beltrão, Fernanda Torres e Marília Pêra), para representarem essas histórias e também para contarem as suas histórias em um certo sentido.

Com uma montagem inteligentíssima, esses 3 níveis são embaralhados e a questão ética da verdade e “mentira” – no caso representação e mímese – é posta em xeque a cada fotograma. Ao final percebemos que o que importa são as histórias dessas mulheres e não a verdade. E nesse sentido “Jogo de Cena” torna-se um grande filme ético.

Na questão da mímese e representação, Coutinho faz um jogo de cena brilhante entre Sarita Houli Brumer e Marília Pêra. Marília está incubida de representá-la.

Ela – como a maior atriz brasileira que é – recusa a cópia, a mímese do comportamento de Sarita com seu jeito espalhafatoso, quase over, cheio de personalidade. Marília opta por uma interpretação mais contida – isso pode ser percebido no trailer com as duas falando sobre o filme “Procurando Nemo”. Ela percebe que existe ironia em Sarita ao falar para Coutinho que ele não gosta dos americanos e no final solta uma risada histriônica. A atriz magistralmente entende a risada como ironia e ao invés de repetir o gesto, ela prefere perguntar: é comunista?

Enfim, ela relê os gestuais de Sarita à sua maneira. Os gestos são movimentos de superfície. São as primeiras leituras que fazemos de uma pessoa, assim como as roupas que estão vestindo. Novamente a inteligência dramátrica de Marília sabe que também não pode se afastar muito de sua representação para não se tornar algo que saia do terreno do verossímel, invadindo o domínio do fake. É importante nunca esquecer que existe uma pessoa com uma história que precisa ser contada. Para não trair a história que pertence aquela pessoa, é preciso antes de tudo não trair a pessoa.

Por isso – também possível de enxergar no trailer – ela usa exatamente a mesma roupa que Sarita- uma camisa preta. Não só a mesma camisa como o mesmo brinco grande de argolas prateado e a quase mesma maquiagem quase ausente.

Se opta pra reconstruir outro gestual para Sarita, dentro do terreno da superfície e daquilo que reconhecemos primeiro visualmente em uma pessoa, ela prefere manter-se igualmente vestida como Surita. É um ato profundamente ético.

PS: Algo me ocorreu depois que encerrei esse post. Ao imitar Sarita no seu jeito de vestir e não de se comportar, ela entra também no Sistema Moda. Aquele que o original é copiado – sempre por admiração. Temos também aí novamente a questão ética – Marília se rende ao seu personagem Sarita, se curva a ele, colocando-se numa posição de total respeito por quem ela está retratando através das roupas.