Arquivo do mês: março 2008

CAMPANHA DE INVERNO DE GISELLE NASSER ERRA CONCEITO

giselle_nasser__campanha_inv_08_1_b.jpg 

Graças a Deus eu estudei cinema porque Paulo Emílio via Jean Claude e Maria Rita me descolonizou e não é porque os fotógrafos são bombados de Nova York significa que eles fizeram a coisa certa.

Eu simplesmente não gostei nada das fotos da campanha. É uma coleção luminosa como bem escrevi, cheia de detalhes, debruns, vivos e os fotógrafos Esther Varella e Gil Inoue Sardenberg, que assinam Stella & Inoue fizerma algo dark, escuro que esconde detalhes preciosos da roupa. Dessa vez, ficou devendo. giselle_nasser__campanha_inv_08_2_b.jpg

giselle_nasser__campanha_inv_08_3_b.jpg

Anúncios

PENSAMENTO FARC DE DOMINGO

(Para André Bragança)

Quase tive um enfarc ao ver que uma barata enfarcou a Luciana Gimenez. Afinal, baratas aterrorizam antas?

POR QUE TODO MUNDO SE ACHA ELEGANTE E EDUCADO NO MUNDO DA MODA?

Em um dia desses o namorado de um amigo fashionista, logo fashionista também, passou reto por mim e eu brincando com ele falei: “Não faz carão pra mim!”.

Meio irritadiço, ele respondeu: “Eu não faço carão, eu sou uma pessoa elegante”.

Já azedando com a fofa respondi: “Então seja elegante e me cumprimenta!”

Esse episódio é exemplar do que eu chamo de grossura fashion. Não existe, enquanto grupo, pessoas mais grossas, deselegantes e mal-educadas que os fashionistas e acredito que é globalizado, não apenas algo da tacanhez tupiniquim.Claro que isso é uma generalização! Mas são inúmeros os surtos, os gritos e os estresses que alguém que freqüenta uma semana de moda vê e também é obrigado a dar para poder se impor nesse mar de falta de civilidade.

E existe também as piores baixarias, as mesquinharias que eu chamo de leviandades às portas fechadas, feita no sussurro e no olhar. Algo tão grosseiro já que a vida dos outros não nos pertence.

Mas a pergunta é: porque sentimos a necessidade de sermos elegantes e educados quando a realidade não condiz.

Assim como o novo rico sente a necessidade da ostentação do dinheiro acreditando que dessa forma ele compra status, os fashionistas que são uma evolução pokemoniana das bichas pão com ovo acreditam que com grifes eles compram educação.

Na realidade isso demonstra uma carência, assim como o novo rico nunca terá o status de um aristocrata, o fashionista nunca conseguirá o status de alguém realmente civilizado, é algo que ambiciona e se auto intitula para convencer a si mesmo e aos outros de algo que nunca será.

mal_educado.jpg

ISABELA CAPETO ME CONVIDA

capeto.jpg  

Talvez o convite mais inusitado e nonsense que recebi nos últimos temposchegou hoje na minha casa via correio.

Já foi noticiado que a fofa da Capeto vai expor no Museu de Arte Contemporânea de Tóquio e no Museu de Arte Moderna de São Paulo na mostra “When Lives Become Form – Creative Power from Brazil” sob a curadoria do escritor, cenógrafo e diretor Alberto Renault.

O convite que chegou à minha pessoa é exatamente esse: 

“Gostaria de convidar você, que vem construindo junto comigo e minha equipe a história da marca Isabela Capeto, para participar da composição do painel “296 Maneiras”. Um grande mosaico que idealizei com Alberto Renault e Felipe Veloso, que será fotografado em uma grande festa na nossa loja. No painel figurarão diversas mulheres, entre elas, você!Nesse dia, você será uma das 296 mulheres fotografadas individualmente por Vicente de Paulo, todas vestindo uma peça ou um ‘total look’ Isabela Capeto. O importante é que você venha e nos ajude a contar essa história da qual todos nós fazemos parte…”. 

É claro que tive que declinar pois da Capeto, eu só tenho peças da Ibo

IV SACOLÃO DE ESTILO

Quem conhece sabe que é bom, quem não conhece tem a oportunidade nesses 3 dias pra conhecer.

Oficina de Estilo é isso aí minha gente!

quarto-sacolao.jpg

BLOGVIEW REVISITED: UM ÍCONE, A PERSONAGEM LADY DI

lady-1.jpg 

Como escrevi antes em meu blog lembrando a época da morte de Lady Di, ela “nunca foi muito assunto de minhas preocupações nem de meus amigos ingleses, quase todos republicanos e anti-monarquistas. Lembro bem de um piquenique na Soho Square, que apareceram uns amigos que estavam trabalhando para almoçar na praça e no meio da conversa todos me falaram que achavam ela uma típica inglesinha de merda, que fazia muito bem seu papel na grande novela mexicana que são os membros da família real. Isso são palavras deles e lembro que olhando pra mim falaram: cada povo tem a soup opera que merece!

Então comecei a pensar na Lady Di como uma personagem de uma grande e eterna novela inglesa sem fim e que, cheia de surpresas, traz sempre reviravoltas em sua narrativa. Além disso, muitas dessas histórias são contadas através de suas roupas.

lady-2.jpg 

Ela começa como a mocinha, uma namoradinha do Reino Unido pra Regina Duarte nenhuma botar defeito. Um ar ingênuo e muito inglesa em seu cardigãs, cashmeres, saias plissadas e estampas florais. Esses dois últimos itens acompanharam ainda em seu estilo.

lady-3.jpg 

Mesmo a famosa foto de John Minihan, que causou certa comoção na época por mostrar Diana com uma saia transparente com as pernas abertas, não conseguiu macular a imagem de boa moça, ainda mais segurando crianças da escola que dava aulas antes de se casar com Charles.

Como numa novela escrita por David Lynch, o final feliz vem antes. Diana e Charles trocam alianças no chamado casamento do século. A futura princesa de Gales casa-se em um modelo criado por David e Elizabeth Emanuel, com mais de 10 mil pérolas bordadas em um vestido marfim de tafetá de seda pura com renda. A cerimônia, televisionada para diversos países, faz nascer um ícone fashion, o vestido de Diana é copiado no mundo inteiro. Quer melhor novela que essa pra difundir modismos!

 lady-4.jpg 

Depois, veio uma princesa ainda muito insegura em relação ao seu estilo, que seguia as tendências, ainda não as ditava. Adotou o power dressing da década de 80, e mandou ver nas ombreiras, no tailleur, no chapéus e na escova. Dizem que na época ela seguia muito o que o pessoal da Vogue inglesa falava pessoalmente a ela o que era bom e fashion.

lady-5.jpg 

lady-6.jpg 

Chegou a gastar em um ano sem muito consumo mais de 60 mil dólares em roupas, uma coisa meio Rainha da Sucata! Mas a vida de princesa não era fácil não.

lady-7.jpg 

Infeliz no casamento, com traições de ambos, um certo mau estar com as regras rigorosas da família real, ela se divorcia e se reinventa. Tipo a Julia, interpretada por Sonia Braga em Dancyn’ Days quando depois de passar um tempo na cadeia, vai pra Nova York e volta supermegablaster hype.

lady-8.jpg 

lady-9.jpg 

Antes e Depois

Acerta a modelagem, dá um corte mais moderno no cabelo, começa a ter consciência fashion. Continua a prestigiar a moda inglesa vestindo estilistas como Bruce Oldfield, Edina Ronay e Catherine Walker, além de prestigiar seus amigos Gianni Versace, Valentino, Christian Lacroix e Ungaro.

lady-10.jpg 

E fica cada vez mais magra, o que pra moda é ótimo, mas para a sua saúde era péssimo. Vive o drama da bulimia e da anorexia acompanhada por toda a Inglaterra. Uma coisa Camilinha (Carolibna Dieckmann) que tinha câncer na novela do Manoel Carlos que eu não lembro o nome.

lady-11.jpg 

Agora não adianta, Di (já fiquei intimo) gostava mesmo de uma boa cintura alta, fruto dos 80 que estão tão na moda e por conseqüência, seu estilo que tinha até para fazer suas viagens assistenciais como as inúmeras personagens da Regina Duarte.

lady-12.jpg 

Sua morte trágica parece não encerrar a personagem. Livros, hoje, dão conta de tentar desmontar o mito, uns chegam a falar que ela era fria e calculista. Mas sendo assim, uma pesonagem tão complexa, eu só tenho uma pergunta: Afinal, quem matou Odete Roitman?

lady-13.jpg 

MY ADIDAS

O título do post acima é também de uma música do Run DMC nos anos 80 que com certeza não ganharam nada para fazer esse merchandising para a marca alemã, mas a Adidas Originals que sabe muito bem como a relação moda e música pode ser algo produtivo para ambas resolveu fazer uma série de festas , 5 no total, entre abril e maio, em São Paulo.

A marca aproveita e lança a coleção Sounds of the City, que faz uma homenagem à 5 importantíssimas gravadoras: Tuff Gong (lançou o reggae de Bob Marley), Motown (de Chuck Berry, Nat King Kole, Diana Ross, The Supremes e Jackson Five), Alligator (de todo mundo que importa no blues), Blue Note (de todo mundo que importa no jazz), Def Jam ( do hip hop inclunido os Run DMC).

image-11.jpg