Arquivo da tag: "moda e música"

TCHAU FASHION ROCKS

No meu festival teria as seguintes bandas/músicos tocando para as seguintes marcas:

Música/ Moda

Calypso = Prada [já que Joelma é Prada]

Pirigóticas = Balmain

Mc Créu = Versace

Carla Perez = JLo by Jennifer Lopez

Farofa Carioca = Osklen

Wanessa sem Ja Rule = Marcelu Ferraz

Lady Gaga com Ru Paul = Walério Araújo

The Gossip = Camisaria Varca

Massacration = Gareth Pugh

Tati Quebra Barraco = Calvin Klein (mas só na festa)

Vai, tem muito mais sentido do que o que aconteceu no sábado. OI?

Bjork_-_Homogenic-front

Por fim, pra encerrar esse assunto de vez, olha como fica incrível quando o artista tem tudo a ver com o estilista. Björk muitas vezes usou vestidos de Alexander McQueen, seja nos clipes, no palco ou mesmo na vida real. E arrasou no Fashion Rocks exatamente cantando para a coleção do estilista inglês.


ZEZEEEE te dedico, a mamãe arrasa!

OI? FASHION ROCKS

0,,31506462,00
Talvez o que mais foi esclarecedor pra mim no Oi Fashion Rocks foi Wanessa imitando as cantoras pop americanas, escondendo uma certa vontade de Shakira – “a cucaracha que chegou lá”. Não existe novidade nessa comparação da neta de Francisco com as J.Lo e Beyoncé da vida, mas é bem claro que revela essa vontade do Brasil de entrar realmente no primeiro mundo da cultura, seja ela pop ou erudita. Wanessa é do mesmo sinal que o desejo que temos ao querer que nosso país leve o Oscar de melhor filme estrangeiro ou que nos fez radiantes por demais diante à vitória do Rio para sediar as Olimpíadas em 2016 e, porque não, ser o palco do primeiro Fashion Rocks da América do Sul. Enfim, Wanessa resume e explica o Oi Fashion Rocks. É a tentativa de shakirização do país.
Pena que essa atitude é feita pela cópia, seguindo modelos e não pela originalidade, para dar uma resposta diferente ao mundo.
Mas voltando ao Fashion Rocks, apesar do nome fashion, ele é só um mero coadjuvante. A moda fica sempre em segundo plano, e não é só na transmissão que foi feita aqui, quem já assistiu outras edições sabe que se vê pouca roupa pois a atenção das câmeras tambem tem que estar na banda que está tocando. Talvez a desculpa com fundo excludente seja que “todos” já viram esses looks nas coleções passadas. Tá, se a visibilidade das roupas é prejudicada na televisão/internet – que é o elemento de grande importância desse evento – então porque chamar, no caso brasileiro, uma grande stylist como Katie Grand, se mal vamos conseguir ver o trabalho que ela fez com as marcas, como ela editou e pensou cada uma. Não consegui, nos vídeos que assisti, entender um pensamento da fofa. No fim, as modelos fazem mais uma participação coreográfica de fundo. Esse pra mim é o grande ponto fraco do Fashon Rocks, não se vê moda em nenhum canto, existe uma miragem de moda. E até agora esse problema não foi resolvido seja no primeiro mundo seja no mundo de Shakira.
Outra coisa que me parece menos ruim, mas é muito desagradável, é a falta de organicidade entre música e moda no evento – novamente não só no Rio, mas em todos os que assisti na tv. Explico melhor, o que os estilistas criam e refletem nada tem a ver com a música que é tocada. Um exemplo hipotético: na trilha da Dior Homme de Hedi Slimane pensa-se exatamente em Franz Ferdinand ou The Libertines mas o Fashion Rocks nunca se atentaria a isso e poderia por exemplo chamar o Dj Tiesto pra tocar para a Dior de Slimane. Não há como preocupação primeira o verdadeiro diálogo com a moda e a música. No caso brasileiro, tivemos um golpe único de sorte, com a substituição de Lulu Santos, que está com problemas de saúde, pela banda Stop Play Moon no desfile de Alexandre Herchcovitch. Que estrela tem Herchcovitch, pois teve como vocalista a sua musa máxima Geanine Marques que é da banda. Fez todo sentido. Eu adoro Lulu, mas ele não tem nada a ver com Alexandre e seu universo. Mas bem que seria interessante ver ele cantando: “eu vejo um novo começo de era…” e aparecer um monte de caveira do estilista na passarela.
Tudo bem, acho que Daniela Mercury pode dialogar com Lino e Grace Jones com Marc Jacobs mas o resto faz muito pouco sentido.
E é pelo elogio da performance de Grace Jones que percebemos outra falha, a falta de boas imagens da música (já que a moda fica apagada, de fundo, cabe à música produzir imagens), imagens que marquem, provoquem, encantem. Grace foi a única que soube fazer isso e com sua simples troca de acessórios e uma capa muito especial derrubou a farofa da macumba da Mercury, os bailarinos da Mariah e a lamentável escola de samba no final, pra marcar que estamos no Brasil (ô pobreza). Foi incrível que nas 3 músicas, Grace criou impacto só na troca de máscara e chapéu e conseguiu produzir uma imagem poderosa que ficou lindo no vídeo com a apoteose dela cantando “Slave to the Rhythm”.
O resto sinceramente pra mim foi OI?
0,,31222332,00
Donatella, te amo até mais que seu preenchimento labial, OI?

MODA E MÚSICA

Convite Modamusica3 2
Moda e Música é o novo programa da Fashion Tv que estréia dia 26 de junho. São 13 episódios que cobrem alguns dos importantes movimentos musicais do século 20 e 21 como o hip hop, o punk e o funk carioca.
É um projeto que tenho muito orgulho, pois foi criado por mim e Ariel Jacobowitz faz um ano e finalmente se materializou, apesar de toda a correria que foi e está sendo para finalizarmos os episódios [fiz 13 roteiros em menos de três semanas, tipo loucura mesmo].
Foi com muita emoção que vi hoje o primeiro sobre o Rock e, apesar de todo o envolvimento, achei que ficou incrível [desculpem a falta de modéstia, mas achei mesmo]!
Aqui está o link do teaser ainda não finalizado que iremos apresentar no SPFW, no domingo, dia 21. Ele teve algumas mudanças , mas dá para ter uma idéia do que vai ser o programa.
Convite Modamusica3