Arquivo da categoria: ryan mcginley

AINDA SOBRE ORIGINALIDADE: COPIAR OU NÃO COPIAR, EIS A QUESTÃO

Acima é a campanha mundial que Ryan Mcginley – fotógrafo querido desse blog – fez para a Levi´s mundial “Go Forth”.

E abaixo a adaptação nacional da campanha.

Uma amigo ao ver as fotos me escreveu: “Sim, foi uma ‘adaptação’, que é o que as agências às vezes fazem, assim como a Dove, que fez a campanha com as mulheres reais nos EUA, e aí executaram o mesmo briefing aqui de um jeito cu! Com filmes p&b. cu, e fotos cu, e casting cu, essas coisas, que toca numa outra parte de algo que venho notando e vendo como verdade: o mercado publicitário brasileiro, que se acha tanta coisa (por todos os leões que ganha em Cannes) não preza pela estética das coisas e não tem tradição na parte imagética da coisa. Tanto que eu aposto que a grande maioria dos prêmios brasileiros são relacionados a “copy” (texto), e suas idéias, e nunca a direção de arte, que tende a ser genérica e pobre”.

Isso prova que a síndrome da cópia faz parte de um certo teor da nossa nacionalidade (não como algo no tempo, que se perpetua, mas sim no espaço, como uma ação que ocorre em todos os segmentos da sociedade brasileira), até os mais prepotentes da casta de brasileiros – os publicitários – e digo isso por ser assim que eles constroem as suas imagens, se equivocam. Ao afastar a ideia de copia, por prepotência manifesta e preferir a tal da adaptação, eles ainda se confinam no sentimento final da cópia e dos que copiam, a afirmação de inferioridade e incapacidade.

O correto seria testar algo totalmente inverso, quem sabe com as letras das pichações das nossas cidades, quem sabe apenas com o jogo de luzes de Ryan em diálogo com a luz chapada de Vidas Secas ou outro filme – apenas uma relação hipotética. Ou quem sabe copiando mesmo, como os jovens estudantes de artes copiam os clássicos para no futuro poderem se libertar deles.

Anúncios

A NUDEZ DA NOVA CAMPANHA DE TOM FORD É…

CAFONA!

Mas essa bobagem, mais um truque de mestre do marketing que se instala no belo corpo do senhor Tom Ford, tem a clara pretensão de polêmica fútil. Só cai quem gosta de uma boa poeira para os olhos.

foto: Ryan McGinley

O blog Nullius quando escrevi sobre a moda na década de 60 me chamou a atenção para as imagens do fotógrafo americano Ryan McGinley de uma nudez naturalista, sem o peso do pecado original e que foi fonte de inspiração para o belo videoclipe do Sigur Rós.

A moda vive do eterno avanço em seu diálogo com a nudez, não do seu choque.