Arquivo da categoria: raf simons

POR UMA POÉTICA FASHION

Fiquei muito intrigado e pensando o que levou alguns comentários no post sobre Um dos Dois Lados da Moda a acharem que aquilo que segundo o Youtube foi exibido ao vivo em um canal local de Pernambuco era algo fake. Primeiro pensei que era uma diferença regional e como comentei no próprio post: “Quem assiste tv no Nordeste vê muito essse tipo de reportagem, mais solta, longe do padrão boneco duro do Sul maravilha”. Mas depois pensei se não foi o clichê do discurso da repórter com textos como “tá super em alta”, “valorizam o decote aliando…”, “eles contam com leveza e trazem jovialidade para os looks” que possa ter dado o tom fake ao vídeo. Termos tão usados e que acabam perdendo o seu significado, fica apenas o signo “sou expert em moda pois domino sua linguagem”.
Nesse sentido, volto para um texto que teve uma certa repercussão aqui no blog onde anuncio o uso desproporcional da palavra crise, seu desgaste e seu aparte colonizador, já que a palavra serve muito mais como cópia da crítica dos editores interncionais do que uma análise pertinente na maioria dos casos. Sem falar que o desgaste de uma palavra leva ao seu clichê e por fim ao seu esvaziamento e a idéia de fake, isto é, ela pára de revelar algo.
00190m
Penso nisso como algo sintomático nos textos de moda – eu mesmo não sei como me livrar de tantos clichês que caem sobre meus textos – e uma reação por uma verdadeira poética na crítica de moda seria um passo necessário, apesar de difícil, mas não impossível para uma nova crítica de moda.
Vejo felizmente sinais – pelo menos de questionamento – do uso excessivo de certos termos na moda que com o tempo esvaziam seu significado e acabam por nada dizer.
No texto de Alcino Leite na coluna Última Moda que escreveu sobre o desfile da Jil Sanders em Milão para o inverno 2009:
Certos críticos chamaram-na de “futurista”, mas o termo virou um clichê no meio da moda. Não há nada de futurista na coleção de Raf Simons: há apenas uma ousada experimentação com formas circulares, o tratamento hiperbólico das dobras e ondas das roupas, o desejo de desafiar a fixidez da silhueta.
00440m
Olhos livres para a crítica de moda! Acima de tudo como Raf Simons os utilizou para penetrar na obra do ceramista francês Pol Chambost.
00490m
PS: O uso da palavra poética também é um clichê!!!!

SEMANA LULA RODRIGUES: MODA MASCULINA E SEU PULO DO GATO, OU MELHOR, SEUS NOVOS CAMINHOS


Uma preocupação minha em relação ao que vimos nas passarelas do verão 2009 com a afirmação desse homem mais feminino, foi saber exatamente se seria mesmo uma aposta efetiva dos criadores de moda ou apenas uma jogada de marketing de algumas grifes para se autosacralizarem modernas e antenadas. Então continuando minha conversa com Lula

Esse homem é uma sinalização de mudança ou é apenas decor de passarela dos estilistas, uma modinha?

Nada de modinha. Dos estilistas sérios, este homem é estudo, laboratório e divulgação. Quer uma prova? Estamos falando nele agora e você, espero, vai publicar esta matéria em seu blog. Estamos divulgando um embrião de uma mudança que, não tem mais jeito – vai rolar.

Raf Simons verão 2009
Paremos para pensar. Há 20 anos, estaríamos agora falando do homem e sua moda? Os ciclos para reflexões sobre o tema estão cada vez mais curtos. O que rolava em 10 anos agora acontece em 5. O neologismo metrossexual foi criado em 1994. Ninguém deu bola. Em 2002, David Beckham foi eleito o padrão. Bombou e o mundo descobriu um novo homem. O retro, o über, o techno, o homem alfa, o beta, o power seeker e o neo-patriarca, nasceram e sumiram em 2 anos. Hoje o “homem sem rótulos” – o que já é um rotulo – é a bola da vez.

Johnny Depp e seu estilo retro man

Alemão, o homem alfa brasileiro

Se analisarmos esse homem, veremos que o formato surgiu nos 80´s num evento – New Man – pilotado por ninguém menos do que o Paul Smith, em Londres. Rolou o que foi batizado de newmania_ou mania do novo homem. Acabou, foi reeditado em 90 com o boom do consumo masculino _ de moda, passando a carros & gadgets – nas revistas para homens. São ciclos que se fecham cada vez mais curtos. Professo a minha fé no mantra que diz: água mole em pedra dura, tanto bate até que vira comportamento & moda masculina.

Qual seria o pulo do gato para a moda masculina? Você me disse que a Prada, a Osklen, o Raf Simons estão tentando esse pulo…

O pulo do gato? A expressão já diz tudo. Pulo do gato não se conta, se faz e, depois se vende hehehe. São os criadores que têm que rebolar para terem os seus diferenciais, seu pulos de gatos. Prefiro a palavra caminhos. Se eu descobrir até terminar o meu Almanaque da Moda Masculina [N.E. com certeza já um clássico], eu prometo que, esta reposta estará no livro. Segundo os estudiosos, o caminho é continuar pacientemente com o mantra: água mole em pedra dura …

SEMANA LULA RODRIGUES: MODA MASCULINA E O NOVO HOMEM


Antes de mais nada quero deixar claro aqui que quando digo e legitimo um discurso autônomo do streetwear em relação à alfaiataria é porque penso que muitas das amarras da moda masculina passam por essa questão. Não é negar a alfaiataria, de maneira nenhuma, até porque minha crítica não passa por ela enquanto processo de fazer roupa e nem a desautoriza como uma grande contribuição do Ocidente para a vestimenta masculina, mas sim questiono hoje a sua idéia, sua lógica cartesiana. Penso nisso muito dentro de um mergulho da minha memória por um desfile memorável de Karlla Girotto para o verão 2007. A estilista já vinha discutindo o gênero assim como algumas coleções masculinas de Herchcovitch, mas dessa vez ela fez um tratado sobre a moda masculina e feminina.
A moulage faz a mulher flutuar, é pura poesia que enlaça o corpo, já a alfaiataria é mais pesada, medida, mais pé no chão. Será que o streetwear não poderia ser a moulage da moda masculina? Será que não chegou a hora dos homens encontrarem mais poesia em suas roupas?
Por fim, dando uma de Caetano Veloso, é importante ressaltar que a saída também pode estar na alfaiataria, tudo é possível, ou não…

Karlla Girotto, os opostos se atraem
Voltando a questão do gênero, o feminino parece querer sair do armário do homens. Veja uma grife tradicional como a YSL, por exemplo…

ser um homem feminino – YSL verão 2009

Faz algumas temporadas que a Prada tem investido em um homem mais feminino. Nessa temporada aqui e lá fora, esse homem parece dominar as passarelas. O que realmente desse homem pode chegar às ruas, já que os homens são muito conservadores na hora de vestir?

Prada verão 2009

Prada verão 2008

Prada verão 2007

A Miuccia [Prada] e o Raf Simons encabeçam uma lista de criadores que trabalham um laboratório de mudanças fundamentais no closet masculino. Mas, não são loucos a ponto de fazerem roupas que não vendam. A Miu Miu masculina – a mais criativa, segundo Colin Mc Dowell para meu blog – acabou, o foco lab agora é na Prada. Na Jil Sander, Simons está preso a contrato de vendas. Na sua signature line, pode fazer experimentos e leva-los para a grife Jil Sander.

Miu Miu verão 2007
Isso vem acontecendo desde os anos 2000, digamos, sendo generosos. Acredito que tais mudanças, tais laboratórios estejam conectados à procura da nova silhueta do terno executivo contemporâneo. Por um simples motivo: quem EMPLACAR a nova silhueta do terno do homem de negócios, do estadista, do clero sem batinas e e afins, e não apenas nos fashionistas e modernos, entra para o hall of fame da moda contemporânea, ou melhor, em letras garrafais, entra para a HISTÓRIA.
Vale lembrar que tudo começou em Versailles quando os alfaiates de Luiz 14, tiveram a idéia brilhante de fazer as 3 peças num mesmo tecido, estampa e cor, estava criado o terno de 3 peças: calça, paletó e colete, – daí terno. Depois, tudo foi adaptação.
Para encurtarmos a história, nos 60´s Pierre Cardin, criou o terninho curto e justo, sem lapela que foi devidamente copiado, renovado e usado pelos Beatles, via o seu empresário. Foi copiado por modernos e fãs do mundo inteiro. Acabou, saiu de moda. Já não me lembro quantas vezes fiz matéria no Ela [caderno do jornal O Globo], tendo como pauta, o novo terno.

Se você observar, tem no mínimo uns 10 criadores apostando na nova silhueta. Foi tema de pesquisa do WGSN [bureau de tendências] _ a nova alfaiataria. Fazer uns poucos fashionistas usar é simples. Nada fora do normal. Agora, convencer todos os homens de negócios do planeta usarem – de Nova York a Xangai _ ai são outros quinhentos. Quero estar vivo e bem esperto, velhinho, para ver … e adotar, of course, a novidade hehehe.