Arquivo da categoria: glauco sabino

AUSENTE NA CASA DE CRIADORES, PRESENTE NO AMIGO SECRETO

Dessa vez pulei a Casa de Criadores [depois de presente em 11 edições vendo todos os desfiles], até queria ir mas o trabalho acumulado me impossibilita. Planejei ir no último dia, hoje, mas acho que também não vou, mas uma análise muito interessante do evento foi escrito por Luigi Torres em seu blog.
Do que vi até agora, me chamou a atenção:
1347270
A cintura de João Pimenta.
E antes que o coro da ignorância comece com aquela imbecilidade-lenga-lenga de: “Você gosta, mas não te vejo vestido assim”. Respondo de pronto que não precisa ser gay pra desabonar ações homofóbicas, nem negro pra ser contra o racismo, da mesma maneira não preciso usar saias pra exigir avanços na moda masculina. Hello, isso se chama tolerância!
1347514
Os volumes positivamente estranhos de Rober Dognani que assisti de pé no primeiro dia pois esperava amigos queridos da moda, [sim, isso é possível se trabalharmos na chave fora do senso comum que adora desprezar os fashionistas, sorry, mas nem todos são deslumbretes alienetes du boquetes] para trocarmos presentes. Foi um momento rápido, doce, uma brisa nesse dia super quente.
_mg_0987
O irmão do Marlboro tirou o irmão do Walério

_mg_0999
8 olhos, pois esses dois adoráveis não deixam passar um detalhe

_mg_1014
Será que é água de xuca?

_mg_1010
Amigos nada secretos

_mg_1022
O baile todo!

As bunitas na foto são Jorge Wakabara, Jana Rosa, Lula Rodrigues, Vitor Angelo, Didi , Ricardo Oliveros, Glauco Sabino, Luigi Torres e Laura Artigas!

Minha amada Dra Vodca Adelaide Ivánova me tirou mas teve que ir embora mais cedo [adorei muito o presnete] e Denise Dahdah tava em fechamento [acho tão gay esse lance de fechamento].

YOU (B)LOG… ME?

No dia 16, eu e uma turma de blogueiros nos encontramos no Planetário para o 1º Encontro Internacional para Blogueiros de Moda e Comportamento. Foi muito rico a experiência de poder falar com um público que a identidade é a mesma, e entre nós, convidados, tinha uma grande diversidade de opiniões o que sempre é bom!
Os convidados:
Papo de Homem, do Guilherme Valadares
Descolex, do Glauco Sabino
The Cooking Diva, da panamenha Melissa De Leon
Style Bubble, da britânica Susanna Lau
The Coveted, da americana Jannine Tann

De qualquer forma antes de falar de mim preferi começar falando do eu


a relação entre individualidade e blogs


a função dos blogs de moda


“interessância” dos blogs de moda


a questão do racismo na moda e o diálogo nos comments

A Susie Bubble escreveu bem sobre o evento e a Vogue Rg fez um vídeo que dá pra ter uma idéia.
Enfim, foi um evento eu + eu. Só espero que no ano que vem seja aberto para todos, assim pra entrar mesmo no clima dos blogs abertos!

PS: Quero agradecer muito a Fernanda do Oficina de Estilo por ter gravado minha fala.

BLOGVIEW REVISITED: MODA E PROSTITUIÇÃO

 

Não é de hoje que os signos moda e prostituição se misturam, se embolam e se confundem.

A começar com o grande preconceito com as modelos até bem pouco tempo atrás e sua fama de prostitutas.

Mas não podemos esquecer que Gabrielle “Coco” Chanel (1883-1971) que revolucionou a moda foi cortesã, nome dado às prostitutas que circulavam nas altas rodas da sociedade.

Quem me lembrou desse fato foi a mentora da Daspu, Gabriela Leite em uma entrevista sobre o primeiro desfile da marca que causou comoção nos fashionistas ao ser lançada no Rio, em plena praça Tiradentes, ponto tradicional da profissão mais antiga do mundo.

A marca Daspu surgiu da Ong Davida voltada para os direitos das prostitutas. No começo, investiu em camisetas espirituosas que tinham as próprias garotas de “vida fácil” como modelos. E hoje diversificam um pouco mais os produtos, oferecendo moda masculina também.

Glauco e as meninas da Oficina de Estilo já escreveram aqui no Blogview sobre o estilo da Bebel, a garota de programa interpretada por Camila Pitanga na novela das 8, “Paraíso Tropical” e sua grande influência nas mulheres da vida real. Ua situação paradoxal, é engraçado pensar que muitas mulheres que condenam a prostituição hoje estão copiando o estilo de uma puta!

E na vida real, bem sabemos, e o livro da ex-prostituta Bruna Surfistinha confirma, que muitas meninas de classe média fazem programas, assim como em inúmeros clubes noturnos hoje já não se identifica quem é a patricinha e quem é a prostituta, tamanha é a identificação de estilo: o top, o jeans, o cabelão são os mesmos!

Por fim, Hollywood que sempre foi um terreno fértil para a libertinagem, desde que não imprimida em uma película, iniciou no começo do milênio um tipo de festa que também chegou ao Brasil.: A “Pimp’n Ho”!

O termo é a abreviação para Pimp (cafetâo) com Hookers (prostitutas) e as celebridades se “fantasiam” desses personagens para entrar na festa. Esse é o dresscode.

O abuso das peles, pelúcia, casacões 7/8, ternos, chapéus fedora e um pouco de bling bling fazem parte desse novo modismo entre os membros da alta sociedade californiana e agora aqui no Brasil.

 

 

Marcos Mion foi um dos primeiros a trazer o Pimp’n Ho ao Brasil e difundir o estilo

 

São inúmeras as variações, mas o que mais chama atenção é a vontade de encarnar uma prostituta. Como se essa personagem sempre marginalizada conhecesse algum segredo de sedução, um dos pilares da moda, que os meros mortais ainda não saibam. Ou será que no fundo o ato da sedução estaria tão intrinsecamente ligado á prostituição?

 

BLOGVIEW REVISITED: ECOLOGIA E MODA (A BONDADE?)

Revendo alguns textos que fiz para o extinto Blogview, percebi que alguns continuavam atuais e que poderiam ser republicados aqui no Dus*****Infernus e esse sobre ecologia e principalmente consumo continua apontando questões.franz1.jpg  

Todos estamos sendo assolados pela onda ecológica na moda. É um assunto super fashion e é assim que a grande maioria das revistas, jornais, marcas têm tratado a questão do meio-ambiente, como algo “cool” (e não deveria ser de outra maneira), mas aí reside a cilada. O que está na moda, está fadado a um futuro próximo estar fora dela. Assim como afirmar que as festas de caridade estão na moda, pode gerar o mesmo efeito.

Glauco Sabino aqui no Blog View já escreveu sobre uma outra tendência que está ligada por muitas amarras com o ecologicamente correto e com o modismo da bondade e que ele chamou de: consumo do bem. Ao listar empresas que através da venda de seus produtos auxiliam entidades assistenciais, ele conclui algo interessante: “cria-se a sensação de que comprando, as pessoas já terão feito a parte delas. Você compra o seu ipod Red e pode dormir ouvindo música tranqüilamente sabendo que ajudou quem nem sabe o que é ter uma cama… Parece simples demais. Tão simples que banaliza questões que devem ser discutidas, cobradas e tratadas com mais seriedade por todos. Se além de comprar, cada um pudesse doar um pouco do seu tempo, um pouco do seu poder de espalhar e difundir idéias, talvez a coisa seria bem melhor, não acham?”O fotógrafo Dino Dinco quando esteve no Brasil chamou atenção que a questão da sustentabilidade está com o foco errado, o problema não está apenas nas empresas que não vendem produtos ecologicamente correto, mas sim numa postura de todos em relação ao consumo, que o consumismo da moda era realmente o maior perigo para o meio-ambiente.

No fundo, o consumo desenfreado (desmatamento, quantidade de lixo, poluição) é o grande responsável pelo desequilíbrio ecológico no mundo. Mas nenhuma dessas marcas ecologicamente corretas coloca essa questão. Aliás, estimula-se cada vez mais o consumo, basta pensar que muitas marcas agora entraram na onda das cruise collections, quer dizer, mais artigos para consumir.

Então existe um cinismo nessa aparente bondade da moda e na sua vontade de ajudar grandes causas. Seja na idéia de descartável cada vez mais presente na moda que amplia o desejo de comprar assim como no fato de uma marca para ajudar alguém, precisa obrigatoriamente consumí-la, o que está por trás é muito mais o lucro que a imagem de uma empresa responsável com o meio ambiente e com as causas sociais pode gerar, do que a ajuda assistencial.

A indústria da moda nessas horas posa de Mãe West: “Quando sou boa, sou ótima, mas, quando sou má, sou melhor ainda.” Pena que muitos ainda acreditem que ela apenas é ótima!