Arquivo da categoria: cinema

A FITA BRANCA: O MAL EM SUA ESSÊNCIA

Pertubador! Não pela quantidade de sangue (não há), não pelo escárneo (não há), não pelas imagens chocantes (não há). Mas, no entanto, o filme ronda a sua cabeça, seus ossos e seus músculos depois dele ter terminado há muitas horas, dias… Como filmar a maldade? Não essa maldade novelesca de reality show, não a maldade maniqueísta que luta contra o bem, não a maldade que vemos no outro, mas a maldade que está dentro de todos nós. Exatamente isso é “A Fita Branca”, de Michael Haneke, o exemplo mais profundo de como filmar a maldade em sua essência.

Para tanto, o diretor austríaco se usa de um arquétipico fundamental pra desmontá-lo e trucidá-lo em fotogramas: A pureza das crianças. A imagem angelical que ainda persiste no imaginário ocidental sobre as crianças – mesmo com quase um século de Freud e suas teorias – é desmontado paulatinamente. São representações como essa da pureza das crianças ou do macho adulto sempre no comando – mesmo com toda a luta das minorias – que se afirmam nos momentos que a Razão cochila.

No filme, de maneira sutil, são as crianças que arquitetam e perseguem os diferentes – mas desde já isso não é explícito, o que é mais perturbador ainda. Você sabe o tempo todo sem ter provas, sem poder culpá-las. O álibi da pureza delas nos cega como quando olhamos pra neve. O que é diferente e fora das regras normativas daquela pequena comunidade é simplesmente dizimado: Seja a família desfuncional do médico do vilarejo (a questão moral), juntamente com a parteira e seu filho com problemas mentais (a questão física/étnica), além da família pobre de camponeses e o aristocrata do vilarejo (a questão econômica). Muitos críticos enxergam aí, nesse tripé, a alegoria da consolidação do nazismo que surgirá duas décadas depois. Acho válida a visão apesar de pouco profunda.

Isso está para além de um tempo histórico. É o pacto com a maldade de todos nós que reside a essência incoveniente do filme. Quando nos silenciamos diante do mal, quando nos enganamos e desvirtuamos os acontecimentos para não encararmos de frente a maldade, quando o nosso mal é a passividade ou pior, a desautorização de acontecimentos graves para que possamos ter a consciência tranquila ou ainda quando acreditamos, por facilidade, que esse é o bem. Nesse momento somos todos males.

[TEXTO ESCRITO AINDA SOB A VIGÍLIA DA RAZÃO]

JOGO DE CENA – ROUPAS, COMPORTAMENTO E ÉTICA

O maior crítico de cinema do Brasil hoje, Jean Claude Bernardet, diz sobre “Jogo de Cena”, filme de Eduardo Coutinho, que ele seria o “Ulysses” – romance fundador/demolidor de James Joyce – dos documentários em geral, principalmente dos que se sustentam na fala.

O filme, de uma aparente simplicidade, parte da ação de um anúncio do jornal que pede para que mulheres compareçam ao Teatro Glauce Rocha para contarem suas histórias. Um mês depois foram chamadas atrizes, dentre elas, 3 muito conhecidas (Andréa Beltrão, Fernanda Torres e Marília Pêra), para representarem essas histórias e também para contarem as suas histórias em um certo sentido.

Com uma montagem inteligentíssima, esses 3 níveis são embaralhados e a questão ética da verdade e “mentira” – no caso representação e mímese – é posta em xeque a cada fotograma. Ao final percebemos que o que importa são as histórias dessas mulheres e não a verdade. E nesse sentido “Jogo de Cena” torna-se um grande filme ético.

Na questão da mímese e representação, Coutinho faz um jogo de cena brilhante entre Sarita Houli Brumer e Marília Pêra. Marília está incubida de representá-la.

Ela – como a maior atriz brasileira que é – recusa a cópia, a mímese do comportamento de Sarita com seu jeito espalhafatoso, quase over, cheio de personalidade. Marília opta por uma interpretação mais contida – isso pode ser percebido no trailer com as duas falando sobre o filme “Procurando Nemo”. Ela percebe que existe ironia em Sarita ao falar para Coutinho que ele não gosta dos americanos e no final solta uma risada histriônica. A atriz magistralmente entende a risada como ironia e ao invés de repetir o gesto, ela prefere perguntar: é comunista?

Enfim, ela relê os gestuais de Sarita à sua maneira. Os gestos são movimentos de superfície. São as primeiras leituras que fazemos de uma pessoa, assim como as roupas que estão vestindo. Novamente a inteligência dramátrica de Marília sabe que também não pode se afastar muito de sua representação para não se tornar algo que saia do terreno do verossímel, invadindo o domínio do fake. É importante nunca esquecer que existe uma pessoa com uma história que precisa ser contada. Para não trair a história que pertence aquela pessoa, é preciso antes de tudo não trair a pessoa.

Por isso – também possível de enxergar no trailer – ela usa exatamente a mesma roupa que Sarita- uma camisa preta. Não só a mesma camisa como o mesmo brinco grande de argolas prateado e a quase mesma maquiagem quase ausente.

Se opta pra reconstruir outro gestual para Sarita, dentro do terreno da superfície e daquilo que reconhecemos primeiro visualmente em uma pessoa, ela prefere manter-se igualmente vestida como Surita. É um ato profundamente ético.

PS: Algo me ocorreu depois que encerrei esse post. Ao imitar Sarita no seu jeito de vestir e não de se comportar, ela entra também no Sistema Moda. Aquele que o original é copiado – sempre por admiração. Temos também aí novamente a questão ética – Marília se rende ao seu personagem Sarita, se curva a ele, colocando-se numa posição de total respeito por quem ela está retratando através das roupas.

COLUNA DA REVISTA DA FOLHA DE SÃO PAULO 03/10/2009

G0mTfK6nEptsanxhFwuApheUo1_500
Rock Hudson, ator americano (1925 -1985)

No final de setembro, o ator anglo-americano John Barrowman, conhecido como o capitão Jack Harkness nas séries “Torchwood” e “Doctor Who”, chamou atenção, ao lançar “I Am What I Am” (“Sou o Que Sou”). No livro autobiográfico, ele conta que um produtor gay do alto escalão de uma emissora de televisão pediu para que ele não assumisse sua homossexualidade publicamente e que fingisse ser hétero para não atrapalhar sua carreira.
Casos como esse não são nenhuma novidade na indústria do entretenimento. Se lembrarmos dos tempos áureos de Hollywood, muitos atores tinham casamentos arranjados para não queimarem literalmente seu filme – e a rosca – na frente de suas fãs. No Brasil vivemos situação semelhante com galãs interpretando desejos que nunca tiveram.
Mas antes de os colocar em uma fogueira (das vaidades?) ou fazer como certos militantes que autoritariamente tentam tirá-los à força do armário, precisamos pensar que muitos acreditam que a arte de atuar é a ação de fingir. “Não podendo fazer o que queriam, fingiram querer o que podiam” escreveu Montaigne no final de seu ensaio “Da Liberdade de Consciência”.
Porém, a confusão entre realidade e fantasia que parte do público da televisão e do cinema faz, diz muito a respeito sobre a situação de tantos atores “não-gays”: Eles não teriam credibilidade de fazer um garanhão sendo assumidamente viados. Mas porque um ator hétero teria quando interpreta um gay? O que essa situação dramatica explicita é que fingindo ser hétero, um gay pode interpretar um machão. E todos dissimulamos não sermos hipócritas até o próximo comercial!

ONDA CHANEL – OU SERÁ TSUNAMI?

coco-chanel
Uma avalanche de Coco… Chanel está invadindo as telas nesse ano. Tem a misteriosa relação entre Chanel e o também genial Stravinsky, em “Coco & Igor” de Jan Kounen. E também “Coco antes de Chanel”, filme de Anne Fontaine protagonizado pela atriz Audrey Tatou. Pensar que o cinema em pouquíssimo tempo se debruçou duas vezes – coisa incomum – sobre a persona de Chanel é pensar a dimensão de imagem dessa mulher.
Mas eu prefiro a autêntica, a que criou uma ficção pra si, nervosa, de opinões fortes, sempre fumando e ereta.
A imagem abaixo, em seu famoso apartamento na rue Cambon, longe das convenções que se formaram na televisão (delícia essa pré-história!!!) começa com uma imagem distante dela para se aproximar depois em um plano mais fechado, mas Chanel continua no nosso imaginário tão ereta quanto no plano anterior. Ao final entendemos que uma certa retidão (uma metáfora para sua forma ereta) que emana de seu corpo talvez seja um dos segredos de seu mito continuar de pé até hoje. Tão firme que nenhuma avalanche derruba.

DE LUA – O FUTURISMO NA MODA


Exatamente às 23 horas, 56 minutos e 20 segundos do horário de Brasília, do dia 20 de julho de 1969, o homem chegou à Lua. “Este é um pequeno passo para o homem, um gigantesco salto para a humanidade” disse o astronauta americano Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar em solo lunar. E ao avistar a Terra de lá, tirou “as tais fotografias em que apareces inteira, porém lá não estavas nua, e sim coberta de nuvens”.
Passado 40 anos, esse momento poético da tecnologia visto por cerca de 1,2 bilhão de pessoas é ainda um assombro. Esse pequeno grande passo da humanidade encerra uma das décadas mais alucinadas de toda a história do homem. A década de 60 se encerra no Mar da Tranquilidade.
Nesses dias de comemoração dessa viagem fabulosa – em todos os sentidos que tem essa palavra – um amigo disse que propriedade, o Homem chegou à Lua em 1969, mas o Cinema já tinha ido pra lá em 1902 com Georges Méliès – o pai da ficção no cinema – com seu estrondoso “Le voyage dans la Lune” (“Viagem à Lua”).

Se o Cinema chegou antes dos homens na Lua, a Moda também vestiu e imaginou a roupa espacial um pouco antes dos acontecimentos, talvez excitada pelo discurso do então presidente John Kennedy no começo dos anos 60 dizendo que o homem iria para o espaço e chegaria na Lua.
O futurismo em artes plásticas, poesia, música e arquitetura aconteceu na década de 10, mas igualmente ao futurismo na moda que é dos anos 50 e principalmente 60 nas personas de Pierre Cardin, André Courrèges, Paco Rabanne, o dois movimentos tem em comum e como princípio uma violência com o passado, de negação até, o olhar é para o futuro, sempre.
25276-large Pierre Cardin, 60’s
Se o futurismo de 1910 se apoiava na guerra, de alguma maneira o futurismo de 1960 se apoiva na Guerra Fria e no seu resultado mais emblemático: a corrida espacial. Pensar o futuro era pensar na roupa que vestiríamos no espaço, quando nossas vidas não seriam apenas na Terra. Os looks de um filme hoje clássico como “2001, Uma Odisséia no Espaço”, poderia muito bem ter saído de uma coleção de Cardin.
2001stewardess032001stewardess01
dois looks de 2001
É sintomática na década de 60 – e talvez em todo o século 20 até aquele momento -, a fé no futuro e no progresso e como isso naturalmente nos traria um mundo melhor. Pensar pra frente, nunca olhar pra trás, uma dinâmica do modernismo que começa a perder sentido poeticamente no Mar da Tranquilidade, pois passado uma década, já nos 80 começariamos a olhar sempre para trás, para o passado. E no caso da moda, esse movimento é muito mais acentuado.
courreges
Courrèges, inspiração forte para o hoje chamado retrô-futurismo
Mas é sempre importante ressaltar a força propulsora do futurismo com sua dinâmica de seguir em frente. Foi unindo signos do futurismo e olhando para trás, para a história da moda, que Hussein Chalayan fez – na minha opinião – a entrada da moda no terceiro milênio em 2006.
'
Hussein Chalayan, verão 2007, look inspirado em Paco Rabanne
Bom, tem um amigo que diz que na Música, o homem já chegou em Marte desde 1972 e trouxe até umas aranhas de lá.

COLUNA DA REVISTA DA FOLHA DE SÃO PAULO 26/07/2009

A sétima arte tem se debruçado nesse ano com bastante prazer (ui) seus 24 quadros para os problemas de vida e figurino do povo da 24ª. Diferentes narrativas, estilos e histórias tem colocado nas telas de cinema questões vitais para os homossexuais.
“Milk – A Voz da Igualdade”, de Gus Van Sant abriu o ano (nada de trocadilhos!) nos colocando com clareza que estamos ainda no obscurantismo dos direitos civis. A saga do político assumidamente gay Harvey Milk, seu assassinato e a força das mobilizações nos colocam em xeque. Ainda trilhamos muito pouco desde a morte do ativista americano.
Já “Brüno” de Sacha Baron Cohen vai no avesso da questão para expor o mesmo problema. Uma bicha bem alienada percebe que pra ser celebridade – seu grande sonho – é preciso ser heterossexual (uma sutileza do filme pra indicar como os homossexuais são personas de segunda categoria). Para isso frequenta cursos de conversão de “bees” em héteros – como os da psicóloga Rozângela Alves Justino que por pressão dos grupos gays (ecos de Milk) está sendo processada e pode ter seu diploma cassado pelo Conselho Federal de Psicologia, já que a Organização Mundial da Saúde retirou a homossexualidade da classificação internacional de doenças em 1990.
E por fim, “De Repente, Califórnia”, de Jonah Markowitz é sobre dois surfistas gays (olha o fetiche!).Um deles tem dificuldade de se assumir, esse um exercício político importante e que a maioria dos homossexuais em algum momento já travou em sua vida.
Parafraseando o cineasta Jean-Luc Godard: “Tudo que você precisa para um filme (gay) é uma arma (política) e um boy”.
141.x600.gay.reeling1.open

BRÜNO É OU NÃO É UM FILME DE MODA?

sacha_baron_cohen-bruno
No meio do filme “Brüno”, uma amiga virou pra mim e disse meio indignada: “Isso não é um filme de moda!” Como o fato de um filme ser de moda ou não nunca foi fator imperativo para eu gostar ou não de uma película, não me preocupei muito com a observação. Mas depois do fim da sessão parecia ser fator imperativo pra boa parte dos fashionistas presentes na sessão de pré-estréia do filme aqui em São Paulo: Brüno não era um filme de moda e isso contribuia pro valor qualitativo da película. Já dessa primeira premissa discordo, mas resolvi ensar sobre se le é ou não um filme de moda.
Parei pra pensar um pouco sobre e logo percebi que primeiro era importante entender o que é um filme de moda.
Em geral considera-se um filme de moda aquele que transita pelo mundo da moda, com personagens envolvidos e referentes à esse universo. Se pensarmos nesse sentido, “Brüno” é um filme de moda pois transita nesse universo e tem no principal personagem, um fashionista.

Mas muitos alegarão que o filme não se passa só no mundo da moda, e que toca em outros assuntos como a homossexualidade e o preconceito que são centrais no filme. Visto dessa maneira Brüno não é um filme de moda. Caminhando nesse mesmo terreno podemos arriscar dizer também que um filme como “O Diabo Veste Prada” também não é um filme de moda, pois a questão principal do filme não é a moda e sim as relações humanas dentro de um mercado altamente competitivo e autoritário ou o equilíbrio, os efeitos e a impossibilidade de tentar separar relações privadas (a secretária Andy com seus amigos e namorado) com as relações públicas ( a secretária Andy com sua chefe). Essas questões estão acima da moda apresentada no filme, que assim como em “Brüno” tem um papel mais figurativo.
Mas se pensarmos um pouco mais a fundo nessa pergunta, percebemos que muito em “Brüno”, assim como também em “Prêt-à-Porter”, de Robert Altman [e quem sabe no “Diabo”], as questões importantes ao mundo da moda são evidenciadas, pois na moda tratamos daquilo que é visível e elas estão presentes de maneira forte e até pertuboradora.
Começamos com o mundo das aparências, fundamental para os jogos de fantasia e identidade na moda. Ele se demonstra em sua totalidade quando Brüno quer se tornar um heterossexual, suas mudanças são sentidas através da roupa. No iníco, seus looks únicos beiram o absurdo, uma histeria de fashionista. E é um desses absurdos de fashion victim – a roupa de velcro – que o leva a ruína no começo do filme, sem falar que dizem muito de como a moda entende a individualidade. E que deliciosa a observação indignada de Brüno: “D&G hello” quando um militar, já nas sequências de “conversão a hétero”, pergunta que cinto é esse [atire a primeira pedra o fashionista que nunca fez isso]. O filme é todo sobre aparência e esse é um tema central da moda, um tema quase seu por excelência.
O sistema moda está explícito em sua vontade de ser o que é de mais atual, o que é hoje e agora. Essa atitude é uma das forças da moda. E é assim que a moda se comporta para o bem e para o mal. No filme, assim como muitos fashionistas, Brüno leva essa máxima em suas últimas consequências, quase em desvario, não importa o que seja: ajudar crianças famintas na África ou selar a paz entre israelenses e palestinos. O importante é ser up-to-date, mesmo sem a menor consistência do que está fazendo. A onda do desvario histérico das eco-bags aqui no Brasil me ressoou na hora, assim como adoções de crianças carentes e sua exposição mediática. Voltamos ao mundo das aparências!
Isso tudo tem muito do mundo da moda e muito das pessoas que nos cercam e até de nós mesmos, então como Brüno não é um filme de moda? Ele é um filme profundo sobre a moda também. Cruel muitas vezes, irônico, com alguns momentos pretensamente chocantes, ele é um retrato, um espelho no qual parecemos bem mais gordo do que queríamos.
bruno1

A RELAÇÃO ESTILISTA E MODELO: O CASO MARINA DIAS – LINO VILLAVENTURA

n1284556777_30109099_2955738
foto – Fabio Porcelli.

Meio felina, meio silenciosa, angulosa como um dodecaedro que de muitos lados são bons pra pose e de cada ângulo uma nova faceta, foi assim que vi Marina Dias no meio da fumaça do Hell‘s Club quando ainda era dentro do Columbia. Ela me chamou muito a atenção assim como as Gêmeas. Aliás os personagens silenciosos sempre fazem barulho na minha cabeça.
Depois a vi em uma imagem de sonho, de dramaticidade no desfile do verão 1997 de Lino Villaventura. Com certeza uma das grandes imagens produzidas pela moda brasileira.
Clique aqui para assistir
Essa imagem poderosa de uma ninfa, meio vampira de lentes brancas é cheia de dramaticidade, mas não era o drama carregado de teatralidade e sim de peso cinematográfico. Parece ela, Marina, chamar a nossa atenção mental para o zoom, para o close em seu rosto, seus seios e depois se afastar em um plano americano, mais aberto.
Lino e sua equipe muitas vezes comentaram desse desfile como um marco, pois muitos críticos ficaram chocados e alegaram que talvez a apresentação estivesse mais para o teatro do que para um desfile de moda.
Flashback!
É importante lembrar que também na mesma época, 1996, Ronaldo Fraga faz a sua estréia com o desfile “Eu Amo Coração de Galinhas”. A carga teatral do desfile de Ronaldo leva a editora de moda Lilian Pacce a escrever na época sobre a coleção de Fraga que “moda não é teatro”. Com esse parênteses quero dizer que a idéia de teatralização ou melhor a busca de formas diferenciadas de apresentação de uma coleção estava no espírito de alguns criadores brasileiros na época.
Se para Fraga seus desfiles tinha algo de circense e portanto de teatral, já que a origem e, mais ainda, o desenvolvimento do teatro brasileiro tem certas ligações com o circo, a dramaticidade de Lino, mais barroca na época, tinha, muito por causa de fotogenia de Marina Dias, uma ligação com o cinema e porque não, em última instância com o cinema de Glauber Rocha, autor igualmente barroco [tenho essa tese faz algum tempo e gostaria de desenvolvê-la com mais precisão mas ainda me faltam dados e tempo].
Fast foward!
Penso que durante o período que Marina Dias participou com ênfase dos desfiles de Lino, ela foi sua melhor tradução. O último que me recordo de sua presença magnânima foi o do verão 2006, que na minha opinião [balizado pela mestre Regina Guerreiro] foi o grande momento do criador paraense nessa década. Em imbricadas, complicadas e perfeccionistas construções em patchwork, Lino apresentou uma mulher atemporal. Mesmo Marina não abrindo o desfile, foi ela que alcançou com maior êxito a imagem daquela coleção. Enquanto algumas exibiam uma teatralidade que à essa altura era mais do que esperada numa coleção de Villaventura, ela apenas mexe uma das mãos enquanto anda. Deposita todo o drama apenas nessa mão. E nos faz delirar nas muitas mãos que confeccionaram todo aquele sonho [Lino me contou que sonhou com toda a coleção], faz querer que nossa mão toque naquela roupa. Enfim, com o mínimo, um dos apredizados do cinema, nos diz o máximo.
717186
Sinto muita falta dela nos desfiles de Lino hoje. Nenhuma modelo entendeu tão bem o imaginário do estilista, ou melhor, nenhuma modelo filmou tão bem para essa mente única da moda brasileira.

Pós post – Cesar Fasina, o stylist do desfile de verão 1997 de Lino Villaventura, me escreveu e fez uma espécie de memorabilia:
Foi feito à seis mãos ( Lino, Jackson [Araújo] e eu) . As lentes de contato brancas tiravam a alma das modelos, um olhar frio, “ bailarinas congeladas”… Amo este desfie. Fiquei muito emocionado quando terminou, foi um árduo e apaixonante trabalho… Lembro da Berriel trocar todo um look branco pra um totalmente preto….com 5 pessoas ajudando na troca, fechando as dezenas de botões minúsculos….feitos a mão….nas costas….Lino é um grande estilista. Foi uma honra estar junto.

VICKY CRISTINA BARCELONA OU TODAS AS MULHERES DO MUNDO

vicky-cristina-barcelona-3
Vicky
Um dos focos da moda feminina é sempre procurar entender a mulher e seus desejos e principalmente o que ela deseja e também deixá-la desejável, não no sentido sexual apenas, mas também para que seus desejos profissionais, amorosos e espirituais se realizem. Mas que mulher é essa que tanto se coloca no singular – como um arquétipo – que a moda tanto quer alcançar?
Mas o que isso tem a ver com o novo filme do Woody Allen, “Vicky Cristina Barcelona”?
O diretor consegue tripartir exatamente essa mulher – o seu arquétipo – em Vicky (Rebecca Hall), Cristina (Scarlett Johansson) e Maria Elena (Penélope Cruz). Essa cirurgia é bilhante pois estão aí todas as mulheres do mundo ou apenas , a mulher, assim como a socidade patriarcal a desenhou.
Vicky, a mulher que nega o desejo pelo bem estar social – a típica burguesa do século 19 – personagem dos romances realistas de Gustav Flaubert onde a traição a espreita o todo tempo, esse fruto proibido.
Cristina, a mulher que tenta se rebelar contra os dogmas – a típica burguesa pós anos 1960 – personagem dos filmes de Jean Luc Godard e Domingos de Oliveira onde a rebelião pode não lhe trazer a liberdade, mas com certeza a infelicidade.
Elas, Vicky e Cristina, são a mesma mulher, pois ambas procuram na relação amorosa, no homem, a sua felicidade. Colocam o amor e a paixão como ponto máximo de suas existências e para isso dependem do homem, do outro – no caso do filme de Woody Allen, o artista Juan Antonio (Javier Bardem). São Evas contemporâneas!
news_2509_user_15224
Cristina
Aí temos Maria Elena, que não aparece no título do filme, mas tão essencial pra construção dessa imagem de mulher quanto as outras duas. Ela está oculta como Lilith, a mulher primordial e primeira mulher de Adão – “aquela que se recusava a ficar por baixo durante as relações sexuais”. Como Lilith, ela trata em pé de igualdade todas as questões (sexuais, artísticas, amorosas) com Juan Antonio. Ela parte, ela o deixa, mas antes de tudo não podemos nos esquecer que estamos no reino do patriarcado, não à toa, o filme é todo contado por um narrador homem, é ele que faz a versão da história. Exatamente por isso ela volta, se envolve com essas Evas modernas e seu Adão e como serpente – Lilith, em muitos textos religiosos é lida também como a serpente do paraíso – envenena para uns ou contextualiza para outros a verdadeira relação que todos ali estavam vivendo.
Talvez isso explique porque estilistas mulheres como Miuccia Prada, Consuelo Castiglioni e Rei Kawakubo criem peças tão desinteressantes para o olhar masculino mas que fascinam muitas mulheres. Essas Liliths da moda nos enviam mensagens sobre o desejo e o que fazer com ele a cada coleção assim como a mensagem obscura que Maria Elena nos deixa nesse belo filme de Woody Allen.
vicky-cristina-barcelona-penelope-cruz
Lilith

Dois excelentes textos sobre o filme são de Nucool e Tati Rodrigues, vale muto lê-los mesmo!
Ah! ainda tem o Ricko com uma outra visão do filme e a Casa de Narcisa que fez uma versão hillary do título.

O MUNDO REALMENTE PRECISA DE TANTA LOJA?

Durante a temporada de desfiles em Paris com Alcino Leite comentei que fiquei chocado que um cinema que adorava, perto dos Jardins de Luxemburgo, no qual vi em uma tarde ensolarada o sombrio “Os Idiotas” de Lars von Trier, tinha fechado e virado uma loja de roupas – esse bom e velho templo do consumo. Nos dias que se seguiram, percebemos que muitos lugares na cidade estavam fechando e virando lojas, e nos perguntamos: Pra que tanta loja de roupa? A constatação mais triste foi saber que minha patisserie preferida, a Gerard Moulin – palco dos cafés da manhã tórridos do casal Catherine Deneuve e Marcello Mastroianni – tinha fechado também. Quando Alcino me contou isso, ele logo emendou: “Vai virar loja”.