Arquivo da categoria: arte

LIBERDADE LIBERDADE

A pixadora Caroline Pivetta da Mota será solta hoje, sexta-feira, depois de uma ampla pressão do Ministro da Cultura, Juca Ferreira, do Ministro Paulo Vannuchi, da secretaria especial de Direitos Humanos, de artistas de diversas áreas e parte da sociedade civil que se mobilizou contra um certo obscurantismo que sempre se forma em nome da legalidade, da justiça e da ordem. Eu, particularmente fico muitíssimo feliz.
Ao mesmo tempo, me deixou inquieto esse nosso pequeníssimo caso Dreyfus [a acusação injusta de um militar judeu no século 19, defendida por anti-semitas e que provocou uma revolta de intelectuais e artistas a favor de Alfred Dreyfus pois sabiam que algo estava oculto nessa vontade de condenação: O ódio pelos judeus].
Pessoas amigas e desconhecidos se voltaram com certa violência contra a defesa da legalidade do ato da pixadora. Basta ler o comentários que ocorreram no rraurl ( logo após a pixação na bienal e depois comentando do abaixo-assinado), no 02 neurônio (com o texto chamado “Carol, a menina pixadora” no dia 07/11/2008), no Uol com os excelentes textos de Rodrigo Bertolotto e for fim, no Repique com minha entrevista a Paula Guedes para o post “Abaixo assinado pró-pichadora da Bienal” de 17/12/2008 e é claro veio respingar aqui no blog.
Comentários que a chamam de “vagabunda”, “pilantra”. “galinha”, “depredadora”, que “deve apodrecer na cadeia”, “merece levar um pau”, “no tempo da Rota isso não aconteceria”, “queria que pichassem o seu muro pra ver se você gosta” revelou a face monstruosa dessa mesma sociedade que silenciou-se perante a tortura e defendeu o golpe militar, que elegeu Collor porque Lula roubaria as suas casas e com certeza falta muito pouco pra achar corretíssimo a pena de morte. Não à toa artistas que passaram pelo regime militar como Zé Celso declararam em jornal o caso da pixadora como “coisa de AI-5” .
Muitas vezes esses comentários nefastos vieram de pessoas que têm uma certa formação escolar, tomam uma droguinha no final de semana, lêem livros, vão ao cinema, transam sem camisinha… Aí me pergunto, pra que tanto ódio, tanta violência desproporcional contra uma literalmente pobre pixadora? Que significado ela tem para todas essas pessoas que nem a conhecem e que mesmo que se consideram o pixo um crime, será ele tão mais grave do que dirigir alcoolizado? O quanto ela [a pixação] pode matar, destruir vidas, nos violentar?
Na realidade, Caroline e os pixadores têm o mesmo significado que tiveram os judeus no caso Dreyfus, ou a esquerda (os comunistas e anarquistas) em outro caso de injustiça – Sacco-Vanzetti: Bode expiatório!
Existe uma relação direta de classe e sexo pois no nosso país o espaço público ficou restrito aos pobres, os ricos e a classe média se fecharam em muralhas de todos os tipos. Existe uma guerra silenciosa sendo travado todos os dias. E numa sociedade que cultiva a culpa [nos outros, como exercício ruim de tranferência], alguém tem que tê-la. Então que os culpados sejam os pixadores, esses analfabetos que emporcalham a nossa vida, que escrevem errado tanto quando muitos universitários, mas tem a coragem de expor o erro nesse exercício de autoafirmação caligráfica. Alguém tem que levar a culpa! Que seja esses vândalos audaciosos que não se contentam em ficar vendo tv em sua vila de periferia. Alguém tem que levar a culpa!
bbienal1

bbienal2

bbienal3

Nos momentos de crise é bom retornar aos clássicos e fui direto a uma das minhas teóricas políticas preferidas junto com Maquiavel, Hannah Arendt [estudiosa dos regimes totalitários e da banalidade do mal] que sempre nos alerta: No murmúrio da multidão, a consciência adormece. [frase de ensaio de Luciene Félix]
Sem a consciência alerta, a bárbarie revestida de palavras como patrimônio público, cidadania, lei tomam formas sinistras. O sono da razão é perigoso, por isso estar atento é fundamental. O mais engraçado que a defesa começou fora do mundo das artes plásticas. Começou na moda com a jornalista Vivian Whiteman prevendo o que seria essa Bienal: Bienal do Pixo e Bienal do Pixo parte 2 (os posts estão bem no fim da página) foi escrito dois dias depois do evento ocorrido. As artes ainda dormiam, até que AVAF abriu exposição da Triângulo e se declararam totalmente a favor da pixação. Aos poucos a Cinderela foi acordando de seu sonho e percebendo que algo estava em grave perigo: o próprio conceito de arte contemporânea [onde a vida e com ela o pixo podem ser abarcada] e muitos artistas preferiram a ética a vassalagem e colocaram a boca no trombone (Artur Matuck, Mauricio Dias…). Rolou abaixo-assinado instigado por Nina Lemos, Xico Sá e Kiki Mazzuchelli e o assunto foi ganhando dimensão entre artistas de todas as áreas já que também estava em jogo a chamada liberdade [de expressão]. Até que veio o texto primordial de um dos poucos curadores de arte contemporânea que eu respeito: Paulo Herkenhoff.
Seu texto preciso dizia: “Caroline Pivetta da Mota passou o dia de comemoração dos 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos numa cadeia. Isso não denigre a Bienal, nem São Paulo, nem o Brasil. Isso denigre a humanidade”. A razão está finalmente atenta.
E muitos textos sobre o caso como o da Carta Capital, do Fernando de Barros e Silva começaram a fazer voz dissonante em bom som aos que queria que “a pilantra mofasse na cadeia”.
O mais engraçado é que essas mesmas pessoas que proclamam a cidadania, o patrimônio, o respeito à obra do outro invadiram o abaixo assinado a favor da liberação da pixadora com as mesmas palavras de baixo calão, de desrepeito que eles tanto se sentem ofendidos ao ver uma pixação. Ora, eu não me importo que se expressem, mas se querem tanto a dignidade, a preservação do patrimônio do outro não é muito contraditório invadir um abaixo assinado que é contrário aos seus ideais? Porque não criam o deles para que ela permaneça presa? Vivemos numa democracia mas nessa atitude nebulosa Hannah Arendt volta novamente a nos explicar do que se trata:
“O protofascismo busca forjar o consenso explorando o medo e a angústia das pessoas. O ambiente de trabalho, por exemplo, é lugar escolhido por esse estilo político para gerar intrigas, divisões, perseguições, queimar ou gelar os supostos adversários”.
Bom, o que importa é que ela estará solta hoje e o documento [abaixo assinado] seguirá para os lugares indicados como forma de registro e para o advogado da pixadora. Mas o que realmente impressionou a todos os que participaram do abaixo assinado foi a pequena quantidade de artistas plásticos jovens [principalmente aqui de São Paulo, vulgo os faapers] que participaram – a vassalagem disfarçada de atitude cool superior que aliás dominou não só eles, mas muitos que prefiriram ficar em suas confortáveis cadeiras olhando com uma superioridade imbecil o que eles achavam que seria rasteiro e pueril: Um simpels abaixo assinado. Eles preferiram se omitir. Pra esses mais um pouco de Hannah Arendt:
“Os grandes males da humanidade e as maiores atrocidades foram causados justamente por esse esvaziamento do espaço público, o espaço que a coletividade deveria ocupar, em que deveria exercer o Poder (participação pró-ativa). Quando não ocupa este espaço, participa negativamente (omissão)”.
A vigília da razão.

PS: Muitos blogs, sites, ações individuais colaboraram pra soltura da pixadora. Seria bem bom fazer desse post também um arquivo com links de matérias que ajudaram alguém que estava sendo tremendamente injustiçada.

ABAIXO ASSINADO

Amigos do blog
Conversando com alguns amigos [Xico Sá, Kiki Mazzucchelli] que entendem mais em organizar política do que desorganizar que é o meu caso, resolvemos fazer um barulho e fazer um abaixo assinado [uma forma de pressão] contra a prisão de pixadora Caroline Piveta da Mota.
Aqueles que apoiam, aqui está o link do abaixo assinado direcionado pra Fundação da Bienal e pro Ministério Público
e por favor divulguem o endereço em seus mail lists, blogs, etc, etc

Aqueles que não apóiam a idéia, desculpe o incômodo mas me poupem de comentários toscos aqui no blog.

E não se esqueçam que o samba também já deu cadeia no começo do século 20 e tinha uma horda que proclamava que aquilo era som de bárbaro, negócio de quinta, arruinava nosso processo civilizatório e que os pretos que faziam isso deveriam apodrecer na cadeia etc, etc. Muito semelhante ao que vi escrito em muito lugares hoje. Infelizmente uma questão de classe, muita classe!

bjs a todos
Vitor

AVAFANDO=ABRAVANANDO COM AS ARTES PLÁSTICAS E COM A MODA

fk
Fábio Gurjão realizou sua performance-ação-desfile-ação comercial na última terça, dia 2 de dezembro, abrindo os trabalhos da a.v.a.f. [assume vivid astro focus] que desta vez vem com o nome Axé Vatapá Alegria Feijão e encerra em clima de grande festa com direito a trio elétrico sua intervenção na Bienal do Pixo no sábado, dia 6 de dezembro.
A princípio, o evento aconteceria no andar do vazio, mas acredito que por problemas técnicos + ideológicos, eles preferiram deixar o segundo andar para o autoritarismo da arte contemporânea de vassalagem. Pois bem, foi tudo no térreo mesmo e o clima era de galpão de Escola de Samba.
Enquanto sua ação era realizada ao passar do tempo (das 19 às 22 horas) – não se esqueça que além do desfile tem a ação dos fotógrafos, trilha e araras para a compra das roupas ali mesmo -, um carro alegórico era preparado por Eli Sudbrack, Silvia e equipe, a cantora Cibele Cavalli que virou Kivelle Bastos, a persona abravanada estava realizando ali uma mandiga-instalação e o talentoso Ed Inagaki, que montou seu Ateliê Abstração na paralela da ação de Fábio e sua FKawallys, mostrou uma camiseta com capuz que ele chamou de fantasmando e que também nos remete ao uniforme dos presidiários e/ou guerrilheiros – muito oportuno para esse momento portas fechadas da arte contemporânea de vassalagem ou aos fantasmas que rondam o andar do vazio.
ed-inagaki
Buuuu Bienal
Já na entrada, um clima diferente daquilo que Denis Rodriguez também desenhou e era tão verdadeiro durante os dias de Bienal que antecederam a chegada dos avafanados=abravanados: a opressão dos seguranças [acredito que para combinar com o andar vazio e o autoritarismo de seus curadores].
O ar estava mais leve entre os seguranças e alguns até queriam se enturmar com os abravanados. Eles nem revistaram minha mochila…
Ao chegar, muita gente tirando fotos, e Fábio já nos mostrou a cadeira Fila A e cadeira de Imprensa pra gente sentar na passarela. Quer iconoclastia melhor que essa?
bienal
Nossa, essa roupa é uó! Pena que esqueci meu bloquinho…
As coisas corriam soltas, algumas pessoas compravam as roupas na arara, outras cantavam as músicas do rádio, outras ficavam paisageando, Bianca Exótica fazia amizade com os bombeiros…
E foi assim, sem nenhum alvoroço, numa relax, numa tranquila e numa boa que Fábio Gurjão anarquizou com o mundo das artes plásticas e da moda.
fk3
Ao vender as suas camisetas dentro de um espaço de arte, ele evidencia o jogo do comércio disfarçado em simulacros de “arte” feito pelas galerias, museus e bienais. A questão grife é tão mais importante na arte contemporânea de vassalagem que na moda. Afinal um Jeff Koons vale mais que um Marc Jacobs, não?
Existe um valor para aquilo que não tem valor – o espiritual da arte? Por isso seu preço será sempre alto conforme não o seu valor artístico mas seu valor de mercado – em contraposição a isso, as camisetas de artista de FKawallys eram baratíssimas, tudo 30 reais.
Sem falar da ocupação de um lugar sagrado das artes com um desfile de moda – considerado até pelos próprios críticos de moda (?) algo menor que a suprema arte.
Para a moda, ele trouxe orgulho e auto-estima. Não existe terreno mais almejado por jornalistas de moda, estilistas, stylists que o terreno das artes plásticas. Muito pelo valor [falso] e o status [de novo-richismo]que hoje as artes plásticas ganharam. Talvez porque lá o valor da grife [no caso o nome do artista] foi criada de maneira tão escondida e dissimulada que consegue iludir que estamos no terreno do espiritual e não do mercado.
FKawallys está fora dessa etiqueta e dessa lógica canhestra. Em nenhum momento ela se acredita menor que as artes plásticas, não procura como a maioria dos fashionistas aliar-se às artes para ganhar status, esse ISO de ignorância.
Se trabalha dialogando com as artes plásticas é em pé de igualdade. Ele não se acha inferior por fazer moda e muito menos por realizar camisetas [infelizmente considerada carne de segunda na moda].
Ao porpor um desfile em plena Bienal, ele sabe que aquele pode ser um de seus espaços, não o único. E ao vender seu produto que é o mesmo que está sendo desfilado tudo ao mesmo tempo agora ele critica a lógica da chamada imagem de moda tão difundida entre os fashionistas. Essa lógica: a grande parte das vezes o que se desfila não é o que se produz. Cria-se uma imagem falsa da marca, pois na loja temos, em geral, aquilo que é do mais comercial [de alguma forma ele dialoga com o excelente desfile Do Estilista para o verão 2009].
Agora o mais importante, ao fazer essa performance-ação-desfile-ação comercial que outros “artistas” também se acoplam, onde todos, público, visitantes, compradores, funcionários da bienal podem participar [ atentando ao detalhe que a Bienal é de graça], enfim, ali se realiza uma ação de inserção e inclusão. Ao final ele obtém uma obra verdadeiramente duchampiana onde todos que participam são artistas e estilistas ou melhor, vivem a arte como o mestre da roda de bicicleta sempre almejou!
fk1
PS1: E o melhor, disse Fábio Gurjão o tempo todo como autor [não que ele não tenha participação decisiva] no texto por conformismo da linguagem que precisa nominar, mas sinceramente as fronteiras se romperam pois eu não sei se foi a a.v.a.f. , os abravanados, quem apareceu por lá para criar isso tudo que aconteceu no dia 2 de dezembro. Enfim, na realidade foi uma confluência de idéias e desejos!

CAMPANHA VOTE NA TORTA DE PALMITO

dsc01345
Digamos que a Torta de Palmito foi a 4ª ou 5º coisa mais importante da Bienal do Pixo depois dos pixadores, a.v.a.f., desfile de FKawallys e Maurício Ianês. Pra mim, não houve polêmica melhor na Bienal do Vazio do que essa, completamente arte contemporânea de vassalagem, isto é, vazia.
Foi algo que comoveu a tantas pessoas que o site Chic na eleição dos melhores de 2008 colocou entre os concorrentes de melhor Momento Fashion, A polêmica da torta de palmito na performance de Mauricio Ianês
Ultimamente tenho feito muitos votos nulos, mas nesse caso meu voto é certeiro: A TORTA DE PALMITO FOI O MOMENTO FASHION DE 2008..

LÉVI-STRAUSS: SEXO, MENTE, ARTE, MÚSICA E PINGA

Lembro – quando você começa a lembrar muito é sinal que ficou véia – de Ismail Xavier em uma aula na ECA comentar que era engraçado como todos pensam o intelectual como alguém sem corpo, assexuado, como fosse apenas uma mente emitindo sinais sem pau como essas recentes revistas gays.
O Jorge Wakabara recentemente fez um post ótimo, declarando sua queda [sexual] por Foucault. Personagem que eu também atenderia fácil assim como o Roland Barthes, já o Lévi-Strauss eu preferiria sair pra beber.
Confira esse trecho divertido na Revista de Antropologia que Beatriz Perrone Moisés, em 1999, entrevista Lévi-Strauss.

Beatriz: O senhor gostava de pinga?
Lévi-Strauss: Ah, sim, gostava muito! E me lembro também, da fabricação, uma vez por semana, da rapadura, nas fazendas do interior, para o consumo dos peões, de seus filhos e de suas famílias, isso também tinha um cheiro e um gosto muito especiais.

Tipo mamava mesmo…

Mais um pouco dessa entrevista improvável:

Beatriz: No início do “Prólogo” a Saudades do Brasil o senhor se refere a uma memória olfativa das expedições pelo interior. De que outros odores o senhor se lembra?
Lévi-Strauss: Como se sabe, na época em que fui para o Brasil [1935], viajávamos de navio, não havia aviões, e os navios eram também cargueiros, e faziam muitas escalas [o navio em que veio Lévi-Strauss partiu de Marselha e fez escala em Barcelona, Cádiz, Argel, Casablanca e Dakar antes de aportar em Santos]. Nunca me esquecerei que, ao chegar — estávamos em alto mar havia dezenove dias, acho — e a primeira percepção que tivemos do Novo Mundo — ainda não se podia ver a costa — foi um cheiro. Um cheiro difícil de descrever, porque as associações são fáceis demais: cheiro de tabaco, cheiro de pimenta… enfim, tudo isso está ligado ao Novo Mundo, não sei se é exatamente isso. Mas é sem dúvida uma das dimensões da natureza brasileira, que não é apenas visual, ou tátil, é também olfativa.

Esse congraçamento de todos os sentidos faz muito sentido em um antropólogo que se deu a possibilidade de sair de seu quadrado e pensar em todas e muitas áreas. Quando escrevi sobre a pixação na Bienal traçei um parelelo de como a música erudita se manteve íntegra ao recusar a anarquia a qualquer preço e as artes plásticas [pelo menos a que hoje exerce vassalagens medonhas] se tornaram autoritárias e contraditórias no pior sentido dos meus 5 sentidos.
Meu interlocutor Leo Seabra escreveu que “é preciso pontuar bem que discussão sobre arte, é sobre arte, musica é sobre musica”. Discordei dele de imediato pois estava falando de estética.
Pois bem, Lévi-Strauss coloca mais lenha nessa discussão em entrevista de 1993 para o Caderno Mais da Folha

Folha: Em “Olhar, Escutar, Ler”, o senhor escreveu que há momentos na história da arte em que a qualidade estética diminui quando crescem o saber e a habilidade técnica. É o que acontece hoje?
Lévi-Strauss: Não. Quando escrevi isso, estava pensando na história da tapeçaria. A mais bela tapeçaria que conhecemos é a dos séculos em que o tapeceiro dispunha de número limitado de cores. Esse número de cores só aumentou nos séculos 18 e 19. Em vez de cem cores, hoje temos 10 mil ou 100 mil. A qualidade se enfraquece. O problema da arte moderna, ao menos nas artes plásticas, não é um enriquecimento dos meios técnicos, mas, ao contrário, um considerável empobrecimento. Isso é verdade para as artes plásticas, mas não para a música, que se torna cada vez mais erudita. Não gosto nem um pouco da música contemporânea, mas reconheço que ela é extremamente erudita.

Folha: Para que serve a crítica de arte hoje?
Lévi-Strauss: Desde sempre, o papel da crítica foi tanto traduzir, por meios literários, a emoção do espectador diante da obra, quanto tentar compreender justamente as razões e os mecanismos dessa emoção. O problema é que acho que hoje não existe mais arte. Há alguns modos de expressão, que continuamos chamando por nomes tradicionais – pintura, música, literatura -,mas creio que sejam outras coisas. Não são mais as mesmas artes.

Eis o papel da crítica, mas se pensarmos que no Brasil é feita por intelectuais, estudantes universitários, jornalistas que não mudaram muito a postura desde essa ótima descrição em “Tristes Trópicos” sobre os alunos do antropólogo na USP…

“Os estudantes queriam saber muito, porém apenas das teorias mais recentes. Nunca liam as obras originais, preferiam as publicações abreviadas e mostravam enorme entusiasmo pelos novos pratos. É uma questão de moda e não de cultura. Idéias e doutrinas não apresentavam aos seus olhos um valor intrínseco, eram apenas instrumentos de prestígio, cuja primazia deveriam obter. Partilhar uma teoria conhecida por outros era o mesmo do que usar roupa pela segunda vez. Uma concorrência encarniçada estabelecia-se com o fito da obtenção do modelo mais recente e mais exclusivo no campo das idéias”.

Agora com licença que eu vou tomar minha pinguinha em homenagem aos 100 anos do véio.


a boca banguela também canta

FÁBIO GURJÃO LEVA FKAWALLYS PARA A BIENAL DO PIXO OPS VAZIO

dsc01297
O ilustrador, artista plástico e estilista Fábio Gurjão já tinha me dado a dica na abertura da Bienal do Pixo ops Vazio que iria fazer uma intervenção naquele espaço: Um desfile de moda!
Acho que pela resposta reacionária dos curadores da Bienal depois da ação da pixação, acredito que Fábio preferiu não se arriscar com os dobermans da arte contemporânea de vassalagem e recebeu autorização dos próprios em si para fazer a performance-ação-desfile-ação comercial como disse ao telefone para o dus*****infernus (gente, adoro isso, parece até que estou fazendo jornalismo, mas eu tive foi uma conversa mega informal).
Bom, ele vai abrir os eventos do coletivo a.v.a.f. [assume vivid astro focus] que fará intervenções no Pavilhão de terça, dia 02 de dezembro até sábado, dia 06 de dezembro.
n743668915_1659302_1182
O desfile começa às 19 horas e vai até às 22 horas. Fiquei intrigado pois em geral um desfile gira em torno de 8 a 15 minutos. “Não, Vitor, vai ser desfile, mas também vai ser bazar, eu vou vender as camisetas lá e quem comprar pode vestí-las e desfilar”. E quem não comprar? “Se a pessoa quiser desfilar também eu vou levar umas telas de silk e ela pode desfilar com uma delas”. E se a pessoa não quiser desfilar? “Ai, ela pode fazer o cabelo, a maquiagem, o styling… ou só assistir”.
Fábio me contou que vai ter passarela, fotógrafos e a música vai ser de uma rádio qualquer que quando ele tiver de saco cheio ele troca de estação.
E avisa que terão dois tops na passarela: Bianca Exótica e Jason
friday2
Ele mesmo, pra modelos inibidos, uma máscara do Jason resolverá todo o seu terror de entrar na passarela!!!!

HUSSEIN CHALAYAN – EXPOSIÇÃO

Hoje, aliás, desde a década de 50 ou o chamado pós-Guerra existe um processo de enxergarmos o mundo como design. Apesar de ser um ótimo exercício, o exagero desse conceito de designificação do mundo pode nos tirar o foco do essencial: o que está atrás do design.
No caso de Hussein Chalayan, temos um movimento aspiracional de que da união entre tecnologia e design surja algo poderosamente novo ou simplesmente que os sonhos de Júlio Verne se tornem realidade.
Não por acaso, ele foi convidado pelo Design Museum em Londres para fazer uma exposição para chamar de sua: “Hussein Chalayan Works 1994 – 2009”. Abre no dia 21 de janeiro de 2009 e vai até 17 de maio.
Lá, o visitante poderá conferir as poderosas imagens do estilista. Os LEDs, as roupas com chips, as que foram feitas com madeira e os trabalhos que ele representou a Turquia na 51ª Bienal de Veneza.
Abaixo um pouco dessas imagens:

bodypartbodypart-1bodypart-2bodypart-41bodypart-3bodypart-5bodypart-6bodypart-7bodypart-8bodypart-9