COLUNA DA REVISTA DA FOLHA DE SÃO PAULO – 28/03/2010

Depois de explicar como se dá um pensamento autoritário contra as minorias e de apontar quem o está utilizando para reforçar antigas imagens – a TV Globo e os falsos simpatizantes – encerro essa saga do “crepúsculo” (de razões que a televisão desafina) refletindo sobre o que sobrará desse veneno de vamp que inundou o país nesses primeiros meses de 2010.

Com o Big Brother Brasil ficou claro a quantidade de mulheres misógenas que ainda não aprenderam que para um homem ser macho, ele não precisa ser machista. Também aflorou a homofobia de muitas bees, ao condenar que os gays participantes do programa não os representava (Gente, a única pessoa que me representa sou eu). Como também chocou muitos telespectadores que se indignaram com a atração de Serginho, um gay, por uma mulher, como se isso fosse algo ou do outro mundo ou impossível. Enfim, como diz o professor negro e antropólogo Kabengele Munanga: “O brasileiro nunca vai aceitar que é preconceituoso. Foi educado para não aceitar isso”. Nisso, o BBB foi um “avanço”.

Mas mesmo antes de terminar o reality, está óbvio que os grandes perdedores foram os direitos gays. Se há pouco tempo atrás, muitos diziam que não gostavam dos viados com certa vergonha e silêncio, hoje – em um retrocesso civilizatório – eles dizem com orgulho, batendo no peito. Por isso que falo que vivemos uma oposição à clásscia novela de Gilberto Braga. Se antes nos envergonhávamos de nossos atrasos e corrupções, hoje nos orgulhamos de nossos preconceitos. Será que realmente vale tudo – pelo Ibope?

10 Respostas para “COLUNA DA REVISTA DA FOLHA DE SÃO PAULO – 28/03/2010

  1. Pingback: Tweets that mention COLUNA DA REVISTA DA FOLHA DE SÃO PAULO – 28/03/2010 « dus*****infernus -- Topsy.com

  2. Vitor, trocando e-mails sobre a sua coluna com amigos, eu pensei assim:

    fico mais chocado com a homofobia das bees que o programa talvez tenha canalizado, até pq preconceito vindo de um mundrungo é fácil de entender.

    coitada da pintosa, quase uma bandeirante gls, que apanha até de quem tá seguindo a trilha.

    toda bicha me representa na medida em que temos essa característica em comum, e ao mesmo tempo nenhuma me representa porque tenho comportamentos particulares. a pintosa me representa muito bem enquanto bicha, mas muito mal enquanto comportamento (eu que detesto chamar atenção).

    mas é um jeito de ser, será que não dá pra deixar ela em paz? e quando a gente, que talvez não seja a pintosa do salto, quer fazer um carinhozinho sussa no boy em público, não é um momento de altíssima pinta?

    daí fica as bee querendo dar eq de hétero, que quase cai naquele ‘pode ser viado contanto que eu não veja’, que toda mona já ouviu. só acho tudo bem dar eq de hétero se for genuíno, e não por defesa dum possível coió. mas cada um faz a sua matemática pra saber se tá afim de bancar esse momento ‘sou bicha’ – só que dá pra garantir que se vive melhor sem fazer tanta conta nem ficar preso num papel.

    no fim me parece difícil que ninguém um dia queira fazer um carinho em público, dar um selinho de despedida ou aquela aninhada com a cabeça no ombro, tão gostosa — e virar instantaneamente a pintosa.

  3. É como diria a minha professora de Antropologia: É, para vocês verem como esse “simulacro” realmente mexe com as pessoas. Viver uma realidade, mais que real e irreal é bem mais interessante do que viver o nosso monótono cotidiano.
    BBB… Tsc, tsc, tsc.

  4. Triste realidade … a continuidade do mal em sua essência (mas, como sempre retratado com muita qualidade, Vitor)

    Talvez Baudrillard tenha razão quando ele diz que o mundo não é dialético – ele é irreconciliavelmente destinado à polaridade, aos extremos e ao antagonismo radical; não ao equilíbrio, à reconciliação ou síntese. Este é também o princípio do mal.

  5. … a dialética sem conclusão que machuca às minorias ao ponto de exaustão…

  6. Muito triste tudo isso.

  7. Realmente, a Globo se blindar de um parágrafo legal de sua Política de Privacidade para dizer que não tem responsabilidade pelo conteúdo do BBB – e, pior ainda, que este conteúdo não reflete as suas opiniões – foi ridículo. Naturalmente na edição está embutido o posicionamento da casa em relação a este, e qualquer outro, assunto. E concordo: agora a homofobia vai bater no peito e cuspir na cara dos viados, vai se transformar em ‘homogeriza’, na certeza de que no final da estrada existe uma recompensa milionária. =(

  8. Levando-se em conta o faturamento atual da globo, parece que sim.

  9. Que texto bacana!

    Fiquei perplexa diante do que vi nesse BBB.

    Mas, é estranho ficar perplexa diante de algo que parece tão normal pra muita gente.

    Acho que nosso mundinho pequeno de pessoas respeitosas, gentis e educadas nos impede ver a vida como ela é.

    Sinceramente…ainda bem!

    Eveline

  10. Post genial, expressou tudo o que estava em minhas visceras.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s