BRITPOP 25 ANOS: MÚSICA E MODA


“Se o punk era para se livrarem dos hippies, eu vou livrar-me do grunge”. Essa famosa frase de Damon Albarn, vocalista e líder do Blur, foi um acorde de guitarra em volume bem alto para a formação ideológica no chamado Britpop, contração de British pop ou em bom português, pop britânico – apesar do movimento se referir somente ao rock feito nas terras da Rainha nos anos 90.
Contra o discurso, considerado hipócrita pelas bandas ingleses, que os grunges não queriam ganhar dinheiro nem fazer sucesso, outro personagem central do Britpop, Noel Gallagher, do Oasis, pede ironicamente que Eddie Vedder, do Pearl Jam, então deixe de fazer música e vire frentista de posto de gasolina. Essa é uma questão importante para os ingleses: resistir a invasão do rock americano representada pelas bandas de Seattle.
A Inglaterra, no começo da década de 90, está vivendo a ressaca musical do fechamento da Factory Records de Tony Wilson (o filme “24 Hour Party People” – em português “A Festa Nunca Termina” – conta essa história direitinho que se passa em boa parte no lendário clube Haçienda com bandas como New Order e Happy Mondays como protagonistas) e ao mesmo tempo assolada pelas bandas grunges vindas da costa oeste dos Estados Unidos. Apesar disso, as novas bandas do Reino Unido se voltam para a história do rock inglês. Na formação do Britpop está a influência decisiva de bandas e músicos como Beatles, David Bowie, The Smiths, Happy Mondays, Primal Scream, My Bloody Valentine.
A primeira imagem do Britpop sai em 1992 na capa do NME, periódico musical inglês: o vocalista Brett Anderson do Suede aparece totalmente andrógino num misto de Bowie e Morrisey. Ao mesmo tempo outro importante jornal musical, o Melody Maker, chama a banda de a “mais excitante dos últimos tempos”, mesmo eles não tendo lançado nenhum álbum. Por fim, em 1993, Anderson está na capa da Select, em uma pose muito feminina com a bandeira do Reino Unido atrás. A legenda diz: “Yanks go home!” Esse é o lema da cena.

Se existe um conflito com o rock americano, em terras inglesas, pelo menos no começo, existe uma clima de paz e camaradagem entre as bandas do Britpop. O grande exemplo é o ”The Scene that Celebrates Itself”, nome criado pelo jornalista da Melody Maker Steve Sutherland para descrever a cena que acontecia em Camden Town e no clube Syndrome em Oxford Street no começo do anos 90. O termo foi usado por toda imprensa inglesa pra descrever o encontro de bandas inglesas que se reuniam para tocarem, fazerem pequenas apresentações em outras bandas e beberem juntas.
Nas gigs do ”The Scene that Celebrates Itself”, bandas como Muse, Lush e Blur recuperam e colocam em primeiro plano uma tradição dos anos 80 de bandas como My Bloody Valentine e Cocteau Twins: o “shoegazer” ou “shoegazing”. O termo se refere a fazer uma postura tímida no palco, os integrantes ficam quase inertes e muitas vezes mal encaram a platéia. Eles mantem o olhar para baixo, até porque assim podiam ver os pedais para distorcer as guitarras, características musical dessas bandas e que acabariam influenciando diversas bandas do Britpop.
1994 é o ano considerado fundamental para a Cool Britannia. Oasis lança seu álbum de estréia “Definitely Maybe” e Blur causa muito barulho com seu terceiro álbum “Parklife”. Mas a partir daí o clima de amizade entre as bandas de Britpop não duraria muito, pois o Oasis, e seu culto aos Beatles, escolhe o Blur como seu Rolling Stones.

Apesar do campo de batalha acirrado e criativo entre as duas bandas, do Britpop também germina a urbanidade e o neo glam do Pulp, o marxismo politizado do Manic Street Preachers, a atitude feminina roqueira do Elastica, o legalize do Supergrass. Sem falar das tardias mas não menos impactantes Travis, Coldplay, Verve e Radiohead.
Paradoxalmente, o movimento que surgiu como resistência ao rock americano acabou conhecido como a terceira invasão inglesa – expressão usada sempre que bandas britânicas fazem estrondoso sucesso nos Estados Unidos. Enfim, odiando o grunge, o Britpop conquistou o Tio Sam!

2 momentos do Blur: simplicidade de estilo

Também em resposta ao grunge, pode-se dizer que o que se formalizou chamar-se de uma moda vinda das bandas do Britpop é a negação – em um primeiro momento – à ideia de uniforme proposta pelas bandas de Seattle. Se o grunge tinha o seu uniforme: a camisa de flanela, as botas pesadas, o meião e os cabelos compridos, as bandas ingleses optaram por não ter um assim chamado uniforme de tribo. Paradoxalmente ao investirem na simplicidade das roupas do dia-a-dia como camiseta, jeans e tênis, acabaram também por criar um uniforme. É inegável ver os tênis Converse All Star, o agasalho esportivo, as camisetas com listras, o cardigã também listrado, a camisa pólo, o blazer, a jaqueta jeans, ou mesmo os óculos de aros redondos e não associá-los ao Britpop, nem tanto com o produtos originais (o tal óculos de aros redondo é símbolo da obsessão do Oasis pelos Beatles), mas pela combinação das peças. É interessante fazer um parelelo que essa mesma limpeza – de ter as roupas essenciais – que ocorre no Britpop também está acontecendo de uma outra forma na moda de passarela dos anos 90 com o minimalismo e o desconstrutivismo que reinaram durante toda a década. Sendo assim podemos concluir que a volta histórica que o Britpop faz aos seus ancestrais musicais procurando o que era da essência do chamado rock inglês também acontece com a sua moda e com a moda do mundo na época, pois nos anos 90 procurou-se a essência da roupa, suas linhas mestras, sua melodia primeira e até a essência do que seria o bom gosto, não à toa a Prada surge reinante no final do século 20.

Apesar de discordar da ordem, esses vídeos são uma boa forma de ver o estilo e relembrar a música do Britpop

Anúncios

9 Respostas para “BRITPOP 25 ANOS: MÚSICA E MODA

  1. Pingback: Tweets that mention BRITPOP 25 ANOS: MÚSICA E MODA « dus*****infernus -- Topsy.com

  2. Fio, me permite só um adendo? O Radiohead não chegou tardiamente no Brit Rock. Em 1994 o The Bends alavancou de vez a banda, Oxford e o Brit Rock como um todo, porque super chamou a atenção, com um trabalho consideravelmente diferente (com o The Bends) do que rolava pelas ilhas, numa época difícil, em que todos falavam e lamentavam a morte de Kurt Cobain. E era mais uma banda de peso, de personalidade, mas com um som diferente, com algum sabor de experimentalismo já (vale ressaltar que o “espírito indie foi muuuito associado a figura do Thom Yorke, apesar dele odiar) lembrando que já havia repercutido com o trabalho anterior, Pablo Honey(1993), com o impagável nerd song Creep e a escancarada influência do glam rock e da aura do pós punk britânico, que foi muito bem recebido pelos americanos. Mais interessante ainda, em relação ao Radiohead e ao The Bends, é que eles se afirmavam influenciados pelo grunge, indiretamente, mas sim, influenciados.

    Estou sempre aqui, lendo você, adouro!

    Bisous.

  3. britpop rulessssssss

    PS- nem acredito que o Brett Anderson cancelou o show que faria por aqui em janeiro.

    abração vitor.

  4. eu adoro o Brett Anderson.

  5. 1 lugar tinha que ser do Oasis,Radiohead é chato pra caramba

  6. uau!!essa eh a primeira vez q entro no seu blog e já vi q vc sabe muito ein??!!

  7. Amor, procura agora no youtube o show que o jarvis fez ano passado em paris. O disco dele novo é foda. E o estilo, bem…. É mais que estilo, é jeito alternativo esperto de viver a vida mesmo. O cara teve a manha de deixar o estrelato, fazer discos ótimos divulgando e formando banda pela internet e lançou o disco novo na rua, na porta de uma galeria de arte. Esse tem mais que estilo. Deve ter é muitos anos de análise mesmo pra cagar pro estrelato… Fica a dica. Ah, e ele é ironico com o mundo da moda o tempo inteiro, o que só prova que o cara, bem, eu tento ser ele. haha!

  8. Finalmente alguém dando importância a uma das modas mais queridas dos anos 90. O brit pop, com toda a cobertura demencial da mídia, produziu alguns fenômenos interessantes. Alguns deles ainda perduram com o mínimo de qualidade, outros já acabaram e outros ainda já deviam ter terminado faz muito tempo… Mas cada um sabe de si e o que eu sei é que o brit pop diz muito de mim porque me acompanhou em toda a minha adolescência. É, por isso, com imensa nostalgia que eu escuto os grandes hits daquele tempo dourado. Deixo aqui um dos meus postos de escuta preferidos http://cotonete.clix.pt/ que tem uma rádio onde você só ouve brit pop. Vai logo lá!

  9. Meus caros, se me permitem um acrescimo, gostaria de enfatizar que algumas bandas, como The Verve e Oasis, se formaram no final dos 80, especialemente o Verve, embora tenha assinado com gravadora depois de muitos outros que vieram depois. De qualquer forma, o Brit Rock/Pop é muito phda mesmo, algo bem saxão, britanico, northern music mesmo, diria até bem europeu, mais cool e menos hard que o rock americano. abs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s