DÁ UM TEMPO

Hoje foi todo aquele burburinho entre os fashionistas, primeiro em uma coletiva para jornalistas da área econômica para anunciarem que “a Luminosidade, uma empresa do Grupo InBrands, e o Grupo ABC, através da Maior, que reúne as operações de conteúdo e entretenimento do ABC, anunciam hoje sua associação, o que possibilitará significativa expansão da atual plataforma brasileira de moda – incluindo entretenimento, comportamento e geração de conteúdo nas áreas de eventos, comunicação, projetos ligados a novas mídias e feiras de negócios”. Traduzinho grosseiramente, Paulo Borges passa a comandar também o Rio Summer de Nizan Guanaes. Uns saudaram com alegria a consolidação de um só caminho talvez mais certo para a moda brasileira, outros lamentaram um certo monopólio das semanas de moda no país.
Pra mim de imediato veio uma certa mania “de vidente” que a gente [os fashionistas] tem de sempre se colocar mesmo antes das coisas começarem a funcionar. Eu, particularmente, não tenho opinião formada sobre essa nova dança das cadeiras que já está se tornando uma constante nos últimos tempos na moda nacional. Acho que realmente deve ser nota ou uma notinha mesmo dos cadernos de economia, talvez diga muito mais a eles, na opinião de quem fez tal coletiva. Talvez pra eles, os cadernos de dinheiro, isso tenha alguma novidade…
O que eu tenho opinião sim, é sobre essa política de resultados [e nesse caso não estou falando dessa parceria que pretende mudar o Rio Summer, apesar dela responder em algum ponto a essa lógica] que a moda brasileira se transformou imitando o pior do capitalismo. Mais clichê do imitar o pior do capitalismo é citar uma letra do Caetano Veloso: “Aqui tudo parece que já é contrução, e já é ruína”. A voracidade e a velocidade da saída de estilistas de certas marcas, grifes que perdem a sua identidade a cada temporada para acharem o valor de venda, algumas semanas de moda que a cada momento seguem uma lógica, tudo e todos à procura de resultados, que nem sempre são os do campo econômico. Ultimamente na moda tupiniquim nunca se tem tempo nem pra vermos se era um viés que ela muda tudo de ponta cabeça. É preciso de tempo e coragem de investir para que algo consistente realmente surja, estamos na era do entulho.
Por isso ao invés de emitir minha opinião agora, prefiro esperar ver uma semana de moda como o Rio Summer que teve apenas uma edição desastrosa [na minha opinião] se firmar um pouco, pois assim, espero, as coisas tenham tempo de se mostrar antes de chamarmos a demolição.
PB, Nizan e Gabriel

9 Respostas para “DÁ UM TEMPO

  1. O teu texto é muito revelador e pertinente considerando o estado deste mundo aonde tudo esta virando entulho…

    Espero que voce continue escrendo mais sobre este assunto. Obrigada pelo ‘ insight’

    Assinado:

    Poison Ivy

  2. eu não sou venenosa, mas sou sua amiga, o que dá no mesmo né?
    enfim, a moda enlatada made in brazil tá que tá. tava na cara que paulo borges e cia iriam entrar em todas as frentes de moda do país. o que interessa é o monopólio e fazer e ganhar cada vez mais. se o resultado é bom não importa muito. entulho pra todos os lados e vamos afogando o mercado de marcas que não valem nada, como a colcci que é qualquer nota e se acha porque alguém quer pagar a gisele pra desfilar aquelas roupas feias. se o feio é tendência eles acertam sempre, né? mas acho que não é bem o caso.

  3. Vitor, please… me ajuda, sou italiano, lá a gente tem uma organização diferente na moda… seria como se o gruppo Della Valle comprasse a fashion week? Como se a Miuccia Prada decidisse quem desfila e quem não?

  4. também acho triste. acho que todo mundo perde com isso. a gente já bem sabe que só entrava no spfw quem tinha “produção pra se sustentar depois”. aí acabaram com o amni para lançar uma nova plataforma para novos estilistas e… se perderam na dinheirama que tá rolando aí. enfim, nada de novo, mas tudo triste.

  5. Gente, peraí, faz alguns anos que os eventos de moda brasileiros não tem mais assunto. Alguém ainda credita em tudo isso? Por favor…

  6. Esse MM anda com uma lucidez!!!😉

  7. Oissss!!!, texto adorável, é muito entulho mesmo, inclusive o comentário sobre a Colcci é pertinente. As roupas são feias, as escolas de moda no Brasil piores ainda. Os mestre cada vez mais acadêmicos (só um exemplo), com doutorados e afins, não sabem por onde começa uma cava e termina uma manga, mas são Professore, e nós que tentemos apenas ensinar não podemos (meu caso) por falta de formação acadêmica mesmo que Eu tenha uma formação técnica fora. O Engraçado é que no Brasil tem Faculdade de MODA, lá, lá fora existem as escolas, para que haja uma formação de capacitação. Mas é por aí que vão as coisas, amei o teu texto. A++++, bjão

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s