Arquivo do mês: julho 2009

BOMBA FASHION: MAFUÁ JEANS

mafua
detalhe que a produção é toda de minha amiga Baiane Vreeland

Segundo Marcelle e Johnny Luxo essa é a mais nova bomba fashion da atualidade: Mafuá Jeans.
No Facebook, Johnny publica inúmeras notícias da mais ultra mega hype tendencinha da temporada:

EXTRA! EXTRA!! MODA FÉXION EM CHAMAS!! MAFUÁ JEANS FOI COMPRADA PELO GRUPO BAFO STORE E SE TORNA O GIGANTE DO JEANS!!!


MAFUÁ JEANS INAUGURA MEGASTORE BAFO NA OSCAR FREIRE E HUMILHA DASLU E TÂNIA BULHÕES…KKKKK PRESENÇAS CONFIRMADAS: CALYPSO, STEFHANY, SILVETTY MONTILLA, MOALLY MOFARREJ, TIGA, DAVID GUETTA, BIAFRA, LUCINHA LINS, RIHANA, NEUZZZINHA BRIZZZOLA, LA TOYA JACKSON, SYLVIA GATTI…KKKKK


BOMBA NO MUNDO DO FÉXION BUSINESS!!! MAFUÁ JEANS COMPRA SHOPPING CIDADE JARDIM E LANÇA O MAFUÁ FÉXION WEEKKK 30 MARCAS JÁ CONFIRMARAM PRESENÇA NO LINE UP: OSMOSE JEANS, DENÚNCIA JEANS, BABUCH, LILICA RIPILICA, BERTA BRAZZZIL BUTIKI, MONGOOSE, COLCCI, KELFi, COLOMBO, BESNI, MAGAZINE LUIZA EXTRA, SIMULASSÃO, FUXICO JUNIOR, MAFÚ VINTAGE, RONALDO ÉSPER COUTURE, ORLANDO XIKETO, ARTUR CALIMAM, SYLVIA DESIGN, BAFO STORE…KKKK

MOALLY MOFARREJ LANÇA LINHA ESPECIAL DA MAFUÁ JEANS PARA BAFO STORE….KKKKKKKKKKKKK

MAFUÁ JEANS ANUNCIA A COMPRA DA MAISON LACROIX E DO MAGAZINE LUIZZZA…KKKKK

Anúncios

AS ROSAS DE HIROSHIMA

bombaatomica
Engraçado que os tempos de hoje parecem não ter o mesmo medo do Apocalipse programado pelas bombas atômicas que as gerações que viveram a Guerra Fria. Era muito comum na década de 80 matérias sobre o que fazer se uma bomba atômica caísse perto de sua casa, quantas centenas, milhares vezes tantos os Estados Unidos e a falecida União Soviética eram capazes, pelo seu potencial atômico, de acabar com o mundo, como seria a vida na Terra no Day After e até quais as roupas apropriadas para uma hecatombe. Enfim, o mundo desde a Segunda Guerra até o final da década de 80 vivia sob a tensão do fim do mundo e de uma guerra sem vitoriosos.
Acabou a Guerra Fria e percebemos que todo marketing era em boa parte propaganda política, pois os países continuam com um elevado potencial atômico e, pior, países rivais, como Índia e Paquistão, ambos detentores da bomba, vivem em constante tensão. Sem falar nas ameaças da Coréia do Norte. Isso quer dizer, o perigo não passou, ele só deixou de ser tão midiático como nos anos da Guerra Fria e por isso nos parece menos assustador.
ResidentialStreetInHiroshimaAfterA-Bombing
Nunca estive em Hiroshima, mas pra mim é um lugar importante no mundo, de um valor simbólico incalculável. Lá, o estilista Issey Miyake nasceu em 1935 e aos 7 anos viveu toda a catástrofe de uma cidade arrasada por um poder até então desconhecido. E 3 anos depois, com 10 anos, perdeu a mãe em consequência dos efeitos da bomba atômica e adquiriu uma osteomelite.
Philadelphia-2
Toda essa tragédia não impediu ele de dar uma resposta positiva e um presente ao Ocidente. Sua moda desde os anos 80, ligada ao japonismo e que revolucionou o fazer e pensar moda, é fresca, inquieta e viva. Seus plissados, suas cores fortes nunca revelaram esse lado escuro de sua vida. Até porque como disse na carta aberta ao Presidente Obama publicada no jornal New York Times/ International Herald Tribune, ele não queria ser conhecido como “o designer que sobreviveu à bomba atômica”.
Nesse carta, que é o motivo desse post, Issey Miyake pede para que o presidente Obama visite Hiroshima no dia 06 de agosto – o dia em que a bomba explodiu na cidade e que é considerado o Dia da Paz Universal -, já sem culpados e inocentes, sem remoer o passado, ele diz para o presidente americano atravessar a ponte da Paz da cidade num ato simbólico para reafirmar nesse momento que todas as desavenças devem ser superadas, pois o perigo ainda é eminente, mas que devemos dar um passo contra o pavor de uma guerra atômica. Issey Miyake nos ofereceu uma rosa, muito mais espetacular e bela que a estúpida rosa de Hiroshima que foi como a explosão foi vista pelas pessoas nas fotos.

JONTE’ E OS STYLISTS

hx-cover-jonte
Jonte’ é um dançarino fantástico e pra mim o mais interessante coreógrafo hoje, desde que minha paixão pela dança se tranferiu para a chamada dança de rua pois acho muito mais espontânea e menos programática. Vejo na parte da street dance que ainda não foi absorvida como um valor positivo para a Dança pelo seu caráter pop – apesar dos esforços de alguns acadêmicos e bailarinos – a verdadeira vontade por uma dança mais expansiva e experimental – muito mais que muitos dos laboratórios que vemos nos teatros e nos grupos de dança, mesmo aqueles que como o excelente Wim Vanderkeybus tem na sua melhor parte o diálogo com esses movimentos e momentos da dança de rua, na minha opinião.
Posto isso, acho Jonte’ genial por ele recriar de maneira muito especial as coreografias em grupo, que desde o ballet clássico são parte fundamental… para abrir os solos, herança que vemos até hoje no jazz e no pop [pra lembrar novamente Michael e seus bailarinos que abriam as coreôs para seus solos espetaculares].

Jonte’ traz a questão do grupo muito forte, pois todos são parte integrante da dança e a questão coletiva é preponderante. Isso não é novo em dança, é bom lembrar, mas em geral está quase sempre em um segundo plano, em sua parte mais introdutória [as coreôs de tirar o fôlego de Busby Berkeley para os filmes de Hollywood na década de 30 e 40 sempre criaram esse clima de coletividade surreal de maneira a introduzir ou acompanhar o mote principal]. Também na dança, grupos como o Momix e Débora Colker exploram o coletivo em suas coreografias. A ligação e o estudo dos movimentos dos esportes em Colker não é em vão, pois na maioria deles – os esportes – reina o senso de coletividade, mas no caso de ambos o grupos de dança esses movimentos estão ainda muito ligados à uma mímese e não apresentam o grau de organicidade e pulsação que as coreografias coletivas de Jonte apresentam.
As coreôs que ele cria para a Beyoncé tem um sentido forte de grupo que nunca abre para o solo de dança de uma estrela, apesar de ainda ter uma hierarquia, ela é muito menos pela dança e sim pela luz e pelo canto.
Além de causar na cena novaiorquina, se montar de maneira abravanada, Jonte’ é especial pra mim por essa questão do grupo, do coletivo em suas coreôs, que sim, são uma tradição na dança, na dança americana e na streetdance, mas revista de maneira diferente.
jonte
Mas o que isso tudo se refere aos stylists e à moda? Em um paralelo entre o trabalho de Jonte’ principalmente pra Beyoncé, mais do que imprimir uma marca (a cantora texana sabe o quanto o que ela dança tem relação com o estilo de Jonte’) é fazer a marca e o dono da marca nunca esquecer o senso de coletividade [para além do chavão que a moda é indústria], por mais difícil que às vezes isso possa parecer, pois egos inflamam, mas acredito cada vez mais que esse é o papel dos stylists.

BRÜNO É OU NÃO É UM FILME DE MODA?

sacha_baron_cohen-bruno
No meio do filme “Brüno”, uma amiga virou pra mim e disse meio indignada: “Isso não é um filme de moda!” Como o fato de um filme ser de moda ou não nunca foi fator imperativo para eu gostar ou não de uma película, não me preocupei muito com a observação. Mas depois do fim da sessão parecia ser fator imperativo pra boa parte dos fashionistas presentes na sessão de pré-estréia do filme aqui em São Paulo: Brüno não era um filme de moda e isso contribuia pro valor qualitativo da película. Já dessa primeira premissa discordo, mas resolvi ensar sobre se le é ou não um filme de moda.
Parei pra pensar um pouco sobre e logo percebi que primeiro era importante entender o que é um filme de moda.
Em geral considera-se um filme de moda aquele que transita pelo mundo da moda, com personagens envolvidos e referentes à esse universo. Se pensarmos nesse sentido, “Brüno” é um filme de moda pois transita nesse universo e tem no principal personagem, um fashionista.

Mas muitos alegarão que o filme não se passa só no mundo da moda, e que toca em outros assuntos como a homossexualidade e o preconceito que são centrais no filme. Visto dessa maneira Brüno não é um filme de moda. Caminhando nesse mesmo terreno podemos arriscar dizer também que um filme como “O Diabo Veste Prada” também não é um filme de moda, pois a questão principal do filme não é a moda e sim as relações humanas dentro de um mercado altamente competitivo e autoritário ou o equilíbrio, os efeitos e a impossibilidade de tentar separar relações privadas (a secretária Andy com seus amigos e namorado) com as relações públicas ( a secretária Andy com sua chefe). Essas questões estão acima da moda apresentada no filme, que assim como em “Brüno” tem um papel mais figurativo.
Mas se pensarmos um pouco mais a fundo nessa pergunta, percebemos que muito em “Brüno”, assim como também em “Prêt-à-Porter”, de Robert Altman [e quem sabe no “Diabo”], as questões importantes ao mundo da moda são evidenciadas, pois na moda tratamos daquilo que é visível e elas estão presentes de maneira forte e até pertuboradora.
Começamos com o mundo das aparências, fundamental para os jogos de fantasia e identidade na moda. Ele se demonstra em sua totalidade quando Brüno quer se tornar um heterossexual, suas mudanças são sentidas através da roupa. No iníco, seus looks únicos beiram o absurdo, uma histeria de fashionista. E é um desses absurdos de fashion victim – a roupa de velcro – que o leva a ruína no começo do filme, sem falar que dizem muito de como a moda entende a individualidade. E que deliciosa a observação indignada de Brüno: “D&G hello” quando um militar, já nas sequências de “conversão a hétero”, pergunta que cinto é esse [atire a primeira pedra o fashionista que nunca fez isso]. O filme é todo sobre aparência e esse é um tema central da moda, um tema quase seu por excelência.
O sistema moda está explícito em sua vontade de ser o que é de mais atual, o que é hoje e agora. Essa atitude é uma das forças da moda. E é assim que a moda se comporta para o bem e para o mal. No filme, assim como muitos fashionistas, Brüno leva essa máxima em suas últimas consequências, quase em desvario, não importa o que seja: ajudar crianças famintas na África ou selar a paz entre israelenses e palestinos. O importante é ser up-to-date, mesmo sem a menor consistência do que está fazendo. A onda do desvario histérico das eco-bags aqui no Brasil me ressoou na hora, assim como adoções de crianças carentes e sua exposição mediática. Voltamos ao mundo das aparências!
Isso tudo tem muito do mundo da moda e muito das pessoas que nos cercam e até de nós mesmos, então como Brüno não é um filme de moda? Ele é um filme profundo sobre a moda também. Cruel muitas vezes, irônico, com alguns momentos pretensamente chocantes, ele é um retrato, um espelho no qual parecemos bem mais gordo do que queríamos.
bruno1

A FOTOGRAFIA DE PASSARELA E A TRIDIMENSIONALIDADE DA MODA

Desculpem, mas moda é 3-D! Tenho certeza disso. Apesar da fotografia de passarela, os editoriais e ilustrações das revistas com imagens dos catwalks serem quase sempre bidimensionais ou trazerem esse caráter.
Claro, dirão, o suporte de uma revista ou de um jornal pede a bidimensionalidade e mesmo a profundidade de campo sendo uma técnica mais que comum no meio para tirar o caráter achatado das fotos, ele tem pouca utilidade no caso da moda, pois pouco resolve na compreensão do foco principal que é a roupa.
Em uma conversa com Thais Mol antes dela embarcar pra Inglaterra, a gente comentava as poucas fotos que eram tiradas das costas das roupas. Aliás quase nunca se tem na sequência de fotos editadas de um desfile, as costas das roupas, o seu outro lado. Como o lado escuro da Lua, quase nunca, se não estiver no desfile, conseguimos captar a totalidade da roupa, pois ela não é feita só de frente.
Thais sempre se preocupou com as costas da roupa pois ali estaria a graça, a brincadeira (um exemplo afetado disso no bom sentido é o triquini de Malana no desfile de verão 2010 da Neon) e sim, a completude da roupa. Ela brilhantemente me disse: “Quando vemos alguém que achamos interessante na rua que passa por nós, o que fazemos? Viramos o rosto e vemos as costas dela e assim também é com uma roupa”. Queremos conhecer a totalidade da pessoa assim como da roupa.
716973
frente
716971
verso
Lembrei de um desfile importante de Clô Orozco pra Huis Clos que a modelo parava propositalmente de frente e de costas para que essa parte fosse clicada e mesmo assim não temos, em vários álbuns de fotos desse desfile de verão 2006, todos os looks das costas que eram magistralmente mais superiores do que a parte da frente.
1399564
Pior aconteceu com Wilson Ranieri em sua coleção de verão 2010 que fez belas costas e não temos quase fotos publicadas delas. A desse modelo, podemos perceber pelas tecido que sobra na foto tem costas maravilhosas (e tem, eu vi!), mas não temos registro disso por enquanto nas fotos dos desfiles.
É como se faltasse parte de uma história. Será que aquela roupa tem um final feliz? Repensar essa questão e tentar solucioná-la é um desafio para os fotógrafos e editores de moda.
Ao conversar sobre essa assunto com Thais, falei de um fotógrafo fundamental: Man Ray e de seu trabalho excepcional na Vogue e Harper’s Bazaar durante os anos de 1930 e 40. Tudo bem que ele fotografou editorais e não passarela, mas mesmo assim acho sua pesquisa válida para aquilo que comento. Conectado com a questão da experimentação, da velocidade, do movimento e principalmente da simultaneadade, ele em diversos momentos captava o mesmo modelo em diversos ângulos, na tentativa de devolver uma tridimensionaldiade que só a moda pertence. Enfim, ele não deu as costas para o problema!
17902179021790217902

COLUNA DA REVISTA DA FOLHA DE SÃO PAULO 12/07/2009

aloca2
Não é a primeira vez que insisto em declarar as boates e os locais que viados e travestis são tratados em pé de igualdade aos héteros como patrimônios da vida gay. Nunca se esqueça o que foi Stonewall: um bar onde as “bees” resolveram dar um basta à opressão.
Mas para não ficar só na história o papel político dos clubes GLS, no mês de maio desse ano, o Samorcc (Sociedade dos Amigos, dos Moradores e dos Empreendedores do Bairro de Cerqueira Cesar) desarquivou um inquérito civil do Ministério Público de 2005 pedindo o fechamento da boate A Lôca por motivos de barulho. Para quem não sabe, a associação é responsável pelo fechamento de inúmeros estabelecimentos na área dos Jardins, a maioria casas GLS. A presidente Célia Marcondes ligada ao Partido Verde deixou os Jardins mais cinzas, e quer deixar menos feliz a Baixa Augusta.
A Samorcc apresentou um abaixo-assinado com 250 assinaturas, mas alega ter 3 mil, que não constam até agora no novo inquérito.O Psiu (Programa de Silêncio Urbano), segundo reportagem da Folha do dia 25 de junho, não constatou nenhuma irregularidade que pudesse aplicar multa.
A boate resolveu reagir e conseguiu o apoio de casa noturnas, bares, frequentadores e grupos gays que sentiram que o barulho se chama homofobia. Já tem 6 mil assinaturas registradas no Ministério Público e isso é só o começo. A Lôca está encabeçando a abertura do Câmara do Comércio LGBT na cidade.
Pra mim, simbólico foi alegarem, na Folha que o gerente ameça a vizinhança com um pitbull. Quem conhece Aníbal, sabe que ele tem uma cadela da raça lhasa apso super dócil. Mas nessa pequena Stonewall, viramos pitbull mesmo!

AS RESPOSTAS DE GLORIA & REINALDO

1396990
Gloria Coelho disse que esse vestido acima foi inspirado na arquitetura de Frank Gehry, Glauco Sabino de pronto disse que era Instituto Tomie Ohtake.
Mas pra mim foi inspirado no diálogo que ela tem com Reinaldo Lourenço. E pode ter partido de um Reinaldo que olhou pra arquitetura art déco norte-americana:
1361618
Ou poderia ser também o desenvolvimento das ideias laterais e de arquitetura desse vestido também de Reinaldo:
1361724
Mas, quem sabe, podem ser as aberturas de todos esses zíperes de uma outra coleção de Reinaldo inspirada em motociclistas:
996978
Que com certeza tem relação com mesmas mulheres fortes dessa coleção de Gloria Coelho inspirada no filme “Tróia”, de onde as tiras, emendas e fatias também aparecem. E talvez muito do que Reinaldo fez seria uma resposta dele a ela:
139895-9477-ga139890-4515-cp
Esse adorável diálogo entre os dois estilistas a cada temporada se torna mais caloroso, ganha peso histórico e comoção estética. Poder acompanhar esse improvisos de vozes é sempre um privilégio, pois tem ali, além do fator criação, muito amor pela moda e respeito mútuo como só nos bons diálogos é possível.