A VIDA COMO INTERNET

A internet está tão forte nas nossas vidas hoje que muitas vezes eu me sinto em situações reais como se estivesse navegando no cyberespaço. Foi essa a sensação que tive na noite de ontem, terça, dia 28.

Começou que Fernanda (da Oficina) e eu parecíamos não acertar a URL, quer dizer não acertamos o local de um filme que queríamos assistir, porque nos passaram o endereço e o horário errado e perdemos boa parte de “Lagerfeld Confidential”, de Rodolphe Marconi, exibido no Filme Fashion em uma sessão extra.

Deu para assistir a última meia-hora do filme e se deliciar com a pose, os inúmeros anéis tilintando, a jaqueta dourada que Lagerfeld usou para ir na “buati” e as declarações do tipo “o casamento é uma instituição burguesa”, ou algo como “não me venha com clichês, eu não sou uma pessoa solitária, eu sou uma pessoa criativa e pessoas como eu não conseguem dividir seu tempo com outras”, ou melhor ainda “as relações na hora que passam do idílico para a realidade, elas começam a acabar”. As aspas são porque não foram ditas exatamente assim, mas o sentido é esse, sabe, memória, coisa de velho…

karl-filme.jpg

Lagerfeld Confidential: eu não vi essa cena!

Depois do filme, meio frustrados por ter perdido boa parte da película, começamos a conversa com a Lara Gerin que tinha visto o filme todo e o do Wim Wenders com o Yohji Yamamoto, o “Notas sobre Cidades e Roupas”, também em outro dia. E linkou que ambos estilistas declararam nos dois filmes que não se sentiam de lugar nenhum. Pensei como a moda contemporânea tem essa dificuldade mesmo de uma certa identidade nacional, de pertencer a uma nacionalidade.

notebook_on_city_and_clothes.jpg

Notas sobre Cidades e Roupas

Aí a stylist que já foi modelo contou histórias tragicômicas como uma no começo dos anos 90 que ela não conseguiu pegar o desfile da Chanel porque ela não conseguia descer a famosa escada  em caracol da maison sem olhar pra baixo. “Dava um medo danado porque a parte fácil de descer que é o canto não podia, tinha que ser no centro e qualquer deslize poderia cair de cara”, lembra Lara.

escadaria-chanel.jpg

escadaria dus infernus

Depois também não pegou o desfile do Thierry Mugler porque  tinha um centímetro a mais no quadril. “Culpa da descoberta da Nutela” segundo ela reforçando nossa sina de Martha Rocha.

Persistente, não desistiu. “Mas o do Montana eu consegui”, conta. Também que foi atacada por macacos, no Amazonas, durante uma sessão de fotos, já como stylist, tudo culpa de uma bananinha que estava comendo. E que ao contar suas histórias tragicômicas para um maquiador em um outro editorial, o cara riu tanto que, sem perceber, perdeu o equilíbrio e caiu de costas em um desfiladeiro.

Momento glamour total de Lara! Apesar de certas tragédias, ela foi modelo de prova por 4 meses do Issey Miyake “em si”. Lembrou com carinho que ele a convidava sempre pra jantar depois de um dia inteiro de trabalho. Ela entrava às 8 horas e saia às 19 horas.

Nesse momento, somos interrompidos por alguém que avisa que o Walter Rodrigues começou sua palestra sobre moda e dança. Chegamos na sala e o que está passando? Um vídeo com a coreografia de Stephan Galloway para um desfile de Miyake “em si”.

Foi  assim o tempo todo. Um assunto e uma situação linkava na outra, navegamos por inúmeros ambientes, bate-papos, e assuntos/janelas se abriam, tudo meio incompleto como a internet, como vida .      

eu-e-lara-1.jpg

eu e Lara na vida real ou será na internet?

Anúncios

4 Respostas para “A VIDA COMO INTERNET

  1. AMAY o texto, ahazou (hahahahaha)!!!!!
    foi bem assim mesmo, a gente começava num clique e ia clicando, clicando…. hoje a gente vai clicar na festchynha, né? =)

  2. deu um mini-pau no blog e eu perdi seu comentário no post da piada… faz de novo, quando puder?!?? que eu nem vi o link, só vi que era da nossa amigah! =)

  3. O pior de tudo é você trabalhar ao lado da Faria Lima e não poder assistir a quase nada e perder Lagerfeld e tudo aquilo que você havia anotado que gostaria de assistir.

    Moral da história (já que a descrição do blog diz que independente do post, você procura sempre obter um ponto de vista): antes 30 minutos de prazer (!) do que reunião de 2 horas!

    PS: Viva a Katy guria!

  4. Arrasou na metalinguagem!

    Abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s